Links de Acesso

Massacre no Paquistão: Talibã matam 126 numa escola


Um jovem estudante é ajudado pelo segurança de um hospital após o ataque a uma escola em Peshawar, no Paquistão. 16 Dezembro 2014

Um jovem estudante é ajudado pelo segurança de um hospital após o ataque a uma escola em Peshawar, no Paquistão. 16 Dezembro 2014

Os homens armados entraram na escola disfarçados com o fardamento da Frontier Corps, um força paramilitar.

Militantes de um grupo islamista vestindo fardas militares com explosivos atacaram uma escola militar no noroeste do Paquistão, esta Terça-feira, matando pelo menos 126 pessoas, na sua maioria estudantes.

Um oficial provincial disse que outras 122 pessoas estão feridas.

Os Talibãs do Paquistão reivindicaram a responsabilidade pelo ataque, dizendo que foi um acto de retaliação à ofensiva paquistanesa que teve como alvo militantes da região tribal do país, junto à fronteira afegã.

O primeiro-ministro Nawaz Sharif condenou o ataque, considerando "uma tragédia nacional" e declarou três dias de luto nacional.

Sharif disse esta Terça-feira, 16, em Peshawar que o "Governo não vai ser dissuadido por este acto bárbaro" e prometeu continuar as operações militares contra os militantes.

Seis militantes mortos

Um porta-voz do exército disse que as forças de segurança mataram seis militantes e que as buscas continuam para encontrar os restantes envolvidos no ataque.

As autoridades referem que vários homens fortemente armados entraram na escola, numa área de Peshawar com muita segurança, e dispararam indiscrimindamente contra os estudantes que estavam a fazer os seus exames

Um estudante chora no ombro de um homem, após ter sido salvo pelo exército paquistanês. Peshawar, Dez. 16, 2014.

Um estudante chora no ombro de um homem, após ter sido salvo pelo exército paquistanês. Peshawar, Dez. 16, 2014.

Os atacante fizeram reféns um número indeterminado de pessoas antes do Comando Paquistanês chegar ao local e lançar uma operação de salvamento. Testemunhas dizem ter havido forte tiroteio dentro da escola, enquanto as ambulâncias levavam as vítimas para os hospitais.

A maior parte das mortes aconteceu no início do raid e os médicos dizem que muitos dos estudantes feridos estão hospitalizados em condições críticas. As autoridades em Peshawar já pediram doações de sangue.

O exército paquistanês disse que a operação de salvamento ainda está em curso e que as tropas continuam a trocar tiros, mas acredita-se que estudantes e funcionários da escola estejam todos a salvo.

Explosões

O Chefe do Executivo da província, Pervez Khattak deu alguns detalhes aos repórteres, dizendo que as forças de segurança mataram dois militantes e que um terceiro explodiu-se.

Segundo aquele dirigente, a maior parte da escola foi evacuada, mas alguns militantes estão no escritório do director e numa outra sala da escola.

Os homens armados entraram na escola disfarçados com o fardamento da Frontier Corps, um força paramilitar.

Reacções ao ataque

O ministro do Interior da Índia, Rajnath Singh, disse no Twitter, "Este ataque ignóbil e desumano mostra a verdadeira face do terrorismo".

David Cameron, primeiro-ministro britânico twittou: "As notícias do Paquistão são profundamente chocantes. É horrível que as crianças sejam mortas simplesmente por irem à escola".

A fronteira afegã, na qual o exército paquistanês está focada, tem servido como maior santuário e treino para os insurgentes paquistaneses e afegãos, responsáveis por ataques terroristas em ambos os lados da fronteira.

VOA com Reuters.

XS
SM
MD
LG