Links de Acesso

Marcos Mavungo e Arão Tempo continuam presos mas processo

  • Alvaro Ludgero Andrade

Cabinda

Cabinda

Advogado Francisco Luemba acusa a Polícia de Investigação Criminal de não fazer o seu trabalho.

O activista José Marcos Mavungo e o advogado Arão Tempo, presos a 14 de Março no dia em que estava prevista uma marcha de protesto contra as violações dos direitos humanos e a gestão da governadora de Cabinda, continuam em prisão preventiva. O prazo inicial de 45 dias expirou ontem, 28, mas os advogados de Mavungo e Tempo não foram ainda notificados.

Em conversa com a VOA, Francisco Luemba, membro da equipa de advogados que defende Mavungo e Tempo, disse não ter havido qualquer investigação nesse período, o que quer dizer que a policia de investigação criminal não fez o seu trabalho de investigação.

"Durante todo esse tempo não se fez qualquer deligência com os arguidos, ou seja não se avançou na investigação processual e os arguidos continuam detidos", revela Luemba.

Sem qualquer notificação das autoridades judiciais, Francisco Luemba acredita que extensão do prazo para mais 45 dias é praticamente tácita, mas aponta o dedo a quem devia investigar e não fez nada, enquanto os detidos continuam na prisão sem nenhuma acusação formal.

José Marcos Mavungo e Arão Tempo foram detidos a 14 de Março antes do início de uma marcha organizada por Mavungo contra as violações dos direitos humanos e a gestão da governadora de Cabinda Aldina Matilde da Lomba. Tempo foi preso na fronteira com a República do Congo quando ia fazer uma consulta médica.

O advogado Francisco Luemba, que integra a equipa de defesa de Mavungo e Tempo, confirma que ambos enfrentam problemas de saúde. No início tiveram alguma assistência médica, mas agora não.

Luemba diz estar preocupado pela falta de respeito pela legalidade neste caso.

XS
SM
MD
LG