Links de Acesso

Mais de três mil novos casos de SIDA na Guiné-Bissau em 2014

  • Lassana Casamá

Os seropositivos guineenses consideram-se marginalizados e abandonados

Na Guiné-Bissau, dados apontam para o registo de novas infecções em 2014. As cifras apontam para 3.197 novos casos, entre 42 mil e 261 do total de pessoas que vivem com VIH. esse número, as crianças representam 16,9%. Um quadro que não deixa de ser preocupante, perante as preocupações e dificuldades com que os seropositivos deparam.

Os seropositivos guineenses consideram-se marginalizados e abandonados pelos seus próximos, ou, por outras palavras, a estigmatização representa ainda um dos factores de risco para os doentes de sida, na Guiné-Bissau.

“Muitas pessoas morreram, porque são severamente rejeitadas pelas suas comunidades”, afirma Pedro Mandica, presidente da Rede Nacional das Associações de Pessoas que vivem com o VIH, uma estrutura que congrega cerca de duas dezenas de organizações autónomas.

Quem também aceitou que o estigma figura no topo da lista dos factores de morte da maioria dos doentes de VIH na Guiné-Bissau é o Secretário Executivo do Secretariado Nacional de Luta contra a SIDA, Anaximandro Zylene Casimiro Menut.

Fontes indicam que em 2012, com o arrefecer de relações com os parceiros internacionais, em consequência do golpe militar de 12 de Abril, os seropositivos enfrentaram dificuldades de sobrevivência, em consequência da constante penúria de medicamentos, o que levou a morte de muitos.Neste momento, mais de oito mil pessoas estão em tratamento.

Comparativamente aos outros países da sub-região oeste africana, em termos da prevalência de números de seropositivos, a Guiné-Bissau apresenta um quadro muito preocupante.

XS
SM
MD
LG