Links de Acesso

Livro revela ligação entre riqueza de multinacionais e pobreza em África


Tom Burgis:The Looting Machine

Tom Burgis:The Looting Machine

Jornalista inglês, autor de The Looting Machine, denuncia governantes corruptos que vendem riquezas dos seus países.

Multinacionais do petróleo e mineradoras estão no centro do sistema de reprodução de pobreza, violência e corrupção que assola a África. A conclusão é do jornalista inglês Tom Burgis no livro "The Looting Machine, Warlords, Tycoons, Smugglers and the Systematic Theft of África's Wealth", lançado em Março.

A disputa por diamantes, óleo, urânio, bauxita, ferro, cobre é que explica a instabilidade política, a falta de democracia e a barbárie no continente africano diz aquele jornalista freelancer na obra cujo título em português pode ser traduzido para “a máquina de saque, senhores da guerra, magnatas, contrabandistas e o roubo sistemático da riqueza da África”.

Após percorrer várias regiões, Tom Burgis mostra na obra como empresas exploram os minérios dos países em troca de poucos impostos. Os recursos são enviadospara paraísos fiscais, enriquecem elites, provocam enormes problemas de saúde e desastres ambientais e estão na origem de milícias e grupos rebeldes que chocam a humanidade com as suas acções

"A corrupção não começa nas fronteiras da Nigéria, de Angola ou da Guiné Equatorial. Entre os protagonistas estão algumas das maiores corporações mundiais, empresas valorizadas nas bolsas, multinacionais onde pensionistas investem as suas economias", afirma Burgis.

Para essas companhias, é melhor lidar com dirigentes despóticos e corruptíveis do que com democracias que exigem transparência e têm instituições fortes.

O jornalista é cáustico ao denunciar as acções do FMI e do Banco Mundial que, segundo ele, reforçaram regimes autoritários e corruptos que desprezaram as necessidades básicas de suas populações.

A África tem 13 por cento da população mundial, mas o Produto Interno Bruto do continente corresponde a apenas 2 por cento do produto do planeta.

O continente possui 40 por cento das reservas de ouro, 15 de petróleo e 80 de platina, mas a pobreza é extrema em grandes áreas do continente.

"Para cada mulher que morre de parto na França, 100 morrem no Níger, a desértica nação que é a primeira fonte do urânio que abastece as usinas nucleares francesas, a base energética daquela economia", escreve o jornalista, que foi correspondente do britânico "Financial Times" na África Ocidental.

Burgis procura mostrar as ligações entre a exploração da África e as economias fortes, e o livro está repleto de números. Em ritmo jornalístico, conta histórias de empresários, dirigentes, intermediários de negócios obscuros.

Um ponto interessante abordado por Tom Burgis é a emergência da China na disputa pelas matérias primas africanas, que constata a agressividade do país em construir estradas, portos, hidreléctricas e refinarias em troca do acesso a petróleo, minérios e mercado.

O livro explica que dois terços dos investimentos em infraestrutura no continente têm a

Burgis diz na obra “The Looting Machine”que resolveu escrevê-la a partir de uma experiência dramática que vivenciou: um massacre de civis na Nigéria.

Sem entender as causas da brutalidade, ele fotografou e contabilizou corpos. Depois, seguiu a vida. Mais tarde, teve que tratar do trauma que tentou esquecer.

O jornalista não tem dúvidas de que a violência absurda de grupos como o Boko Haram surge porque o Estado é ausente, corrupto e funde-se com interesses privados.

Neste contexto, diz, há sobreposição entre empresas criminosas e comércio internacional.

XS
SM
MD
LG