Links de Acesso

Líder parlamentar da UNITA está "a ser seguido" mas não se cala


Raul Danda, deputado da UNITA

Raul Danda, deputado da UNITA

Raul Danda afirma que podem tentar matá-lo, como a Mfulupinga e Ricardo de Mello, mas continuará a denunciar a má governação do país.

O líder da bancada da UNITA na Assembleia Nacional, Raul Danda, afirma que "está a ser seguido", mas continuará a "denunciar a má governação" de Angola.

Numa entrevista à Voz da América (VOA), Raul Danda revelou que foi recentemente alertado por jovens para dois indivíduos "armados" junto ao seu carro, em Luanda, a perguntar por ele.

Danda, que dispõe de protecção policial durante o dia, como todos os deputados, disse que chamou a polícia e os seis agentes que ocorreram ao local disseram ter sido informados que a sua missão era "retirarem-me dali em segurança". Afirmou estranhar que fosse essa a missão dos agentes, ao invés de investigarem quem eram as duas pessoas que o procuravam.

Disse que foi posteriormente informado, por alguém "ligado à segurança do Estado" que havia duas pessoas encarregadas "de me seguir".

O parlamentar da UNITA declarou, também, ter sabido que numa reunião, em Cabinda, o governador Mawete João Baptista manifestou o seu descontentamento devido às críticas constantes de Danda à actividade governativa, e que "já tinha orientado a tropa para tomar medidas".

Raul Danda afirmou que antes de ser governador de Cabinda, Mawete João Baptista "foi notado por fazer desaparecer opositores políticos" e está ciente que críticos do governo, como o fundador do PDP-ANA, Mfulupinga N'Landu Victor e o jornalista Ricardo de Mello foram mortos por divergirem.

Mas o deputado cabindês da UNITA declarou que não se deixa intimidar: "Vou continuar a denunciar a má governaçao deste país", disse.

XS
SM
MD
LG