Links de Acesso

Liberdade religiosa deteriora-se em Angola

  • VOA Português

A denúncia, com vários exemplos, está no relatório da Fundação Igreja que sofre.

A situação da liberdade religiosa deteriorou-se em Angola e o país é o único de língua portuguesa a integrar a lista dos Estados com piores registos de perseguições motivadas pela fé. A revelação está no relatório sobre a liberdade religiosa em 196 países entre Outubro de 2012 e Junho de 2014 da Fundação Ajuda à Igreja que Sofre publicado hoje, 4.

Apesar de reconhecer que em Angola as igrejas "têm total liberdade para evangelizar, dar catequese e gerir instituições como rádios e publicações escritas", o relatório dá conta de que alguns grupos religiosos minoritários se queixam do "favoritismo para com a Igreja Católica".

Para a Fundação Ajuda à Igreja que Sofre, a própria Constituição de 2010 dificulta a liberdade religiosa, segundo Catarina Martins, daquela organização ligada à Igreja Católica. “A Constituição impõe um mínimo de 100 mil assinaturas para a legalização de uma igreja o que é praticamente impossível”, explica.

O relatório destaca igualmente queixas de "discriminação governamental e propaganda negativa" por parte da comunidade muçulmana.

No relatório, o imã David Já, presidente da Comunidade Islâmica de Angola (COIA) acusa as autoridades de perseguirem o Islão e de ordenarem o fecho de mesquitas, acusação negada pelo Governo que justificou a rejeição de pedidos de registo apresentados por várias comunidades muçulmanas com o não cumprimento dos pressupostos legais.

Os evangélicos também têm enfrentado muitas dificuldades.

O Governo reconheceu a destruição de algumas mesquitas por terem sido construídas em "lugares impróprios", porque não tinham autorização ou porque não cumpriam a lei.

O relatório manifesta também alguma preocupação com a situação da liberdade religiosa no Brasil, onde, em 2012, foram registados 109 incidentes de perseguições e discriminação por motivos religiosos.

Nos restantes países língua portuguesa, o relatório não regista tensões religiosas relevantes.

Segundo a Agência Ecclesia, 81 dos 196 países analisados, ou seja 41 por cento do total, são identificados como locais onde a liberdade religiosa “é perseguida ou está em declínio”.

No total, 20 países são designados como de perseguição “alta” em relação à liberdade religiosa. Desses, 14 experimentam perseguição religiosa relacionada com o extremismo islâmico: Afeganistão, República Centro-Africana, Egipto, Irão, Iraque, Líbia, Maldivas, Nigéria, Paquistão, Arábia Saudita, Somália, Sudão, Síria e Iémen.

Um total de outros 35 países, entre eles Angola, foi classificado como tendo problemas de liberdade religiosa “preocupantes”, sem deterioração da sua situação.

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG