Links de Acesso

Laboratório espacial americano "aterra" em Marte


A nave robótica "Curiosity" dotada de dezenas de instrumentos científicos, aqui representada num desenho da NASA

A nave robótica "Curiosity" dotada de dezenas de instrumentos científicos, aqui representada num desenho da NASA

O "Curiosity" vai passar dois anos na superfície de Marte, a recolher amostras de rochas e de poeira do solo marciano

Uma nave itinerante da NASA chegou a Marte na madrugada de segunda-feira. Os cientistas da agência espacial americana esperam que o laboratório espacial ajude a revelar segredos do planeta vermelho…
Os cientistas celebraram o fim de uma longa viagem e o princípio de uma aventura. Ao cabo de oito meses e mais de 550 milhões de quilómetros a nave não tripulada Curiosity, ou Curiosidade, pousou em Marte.
Só daqui a várias semanas (após testes dos vários sistemas) é que a nave vai começar a explorar o planeta, à procura de sinais de que, em tempos, Marte pode ter tido condições favoráveis à existência de vida.
A NASA descreveu a entrada do Curiosity em Marte como, “sete minutos de terror” mas a aterragem, descrita como a mais complexa da era espacial, foi perfeita.
Momentos depois, o veículo (também considerado um laboratório robótico espacial) enviou para terra uma fotografia em que se vê uma das suas rodas na superfície do planeta.
O presidente Barack Obama enviou uma mensagem de parabéns à NASA, considerando a aterragem em Marte um feito histórico e uma conquista sem precedentes, da tecnologia moderna.
O conselheiro da Casa Branca para assuntos científicos, John Holdren, disse que a administração está empenhada em manter a liderança dos EUA na terra e no espaço.
"Aterrar o Curiosity na superfície de Marte foi, a todos os títulos, a missão mais difícil jamais levada a cabo na história da exploração planetária por meios robóticos. E se alguém tinha dúvidas sobre a liderança americana no espaço há uma peça de engenho americano com uma tonelada e do tamanho de um automóvel na superfície de Marte e deve certamente responder a essas dúvidas", disse Holdren
A nave, na realidade um laboratório itinerante, vai passar dois anos na superfície de Marte, a recolher amostras de rochas e de poeira do solo marciano para analisar.
Os cientistas esperam vir a saber se Marte poderia ter sustentado formas de vida – o como organismos microscópicos – hipótese levantada quando, há anos, foram descobertos vestígios da existência da água no planeta.
XS
SM
MD
LG