Links de Acesso

Juizes moçambicanos pedem protecção frente ao crime organizado

  • Francisco Júnior

Carlos Mondlane, Presidente da Associação Moçambicana de Juizes

Carlos Mondlane, Presidente da Associação Moçambicana de Juizes

Crime está cada vez mais violento e organizado.

Os juízes moçambicanos estão cada vez mais preocupados com a falta de segurança e o assassinato de magistrados no país.

Os fazedores de justiça afirmam que o crime organizado está cada vez mais forte e que o Estado deve fazer algo o mais depressa possível para evitar males maiores.

Em Maio de 2014, o juiz Dinis Silica foi barbaramente assassinado na cidade de Maputo e em Março de 2015 o advogado e professor Gilles Cistac foi também morto, meses antes de desconhecidos terem eliminado fisicamente o jornalista Paulo Machava.

A 11 de Abril deste ano, no Município da Matola, também no sul de Moçambique, bandidos executaram, à porta da sua casa, o magistrado do Ministério Público Marcelino Vilanculos.

Até hoje, nenhum dos homicídios foi esclarecido e, por isso, os magistrados estão assustados e indignados.

Carlos Mondlane, presidente da Associação Moçambicana de Juízes, diz que o crime está cada vez mais violento e organizado e a resposta, por parte do Estado, não é satisfatória, enquanto Osvalda Joana, juíza conselheira do Tribunal Supremo, afirma haver muita ganância porque muita gente não olha a meios para atingir os fins.

Osvalda Joana, Juiz Conselheira do Tribunal Supremo de Moçambique

Osvalda Joana, Juiz Conselheira do Tribunal Supremo de Moçambique

Neste contexto, a Associação Moçambicana de Juízes, em coordenação com diversos parceiros, reuniu-se em Maputo com os outros actores para debater o tema.

Uma das conclusões e recomendações consideradas urgentes é que deve haver segurança para proteger os juízes.

Acompanhe a reportagem:

XS
SM
MD
LG