Links de Acesso

Juíz de São Tomé e Príncipe envolvido em caso de violação de adolescente

  • Redacção VOA

Caso foi enviado ao Supremo Tribunal, mas terá sido rejeitado por não cumprir as formalidades legais.

Em São Tomé e Príncipe um alegado caso de violação sexual de uma adolescente por um juiz do tribunal está em vias de pôr à prova o sistema judicial.

Trata-se de um caso de família mas que está a levantar uma onda de indignação, por agora silenciosa, pelo arquipélago.

A denúncia da ocorrência foi feita na sexta-feira passada, 21, à Polícia de Investigação Criminal.

Os familiares da vítima, uma criança de 12 anos, acusam o padrasto, Alberto Monteiro, um juiz do Tribunal de Primeira Instância da Comarca de São Tomé, de violação pelo menos em duas ocasiões.

Em entrevista à VOA Laura Mota, a avó materna da vítima, diz que tudo começou um dia quando a mãe esteve ausente.



Esta semana, depois dos exames médicos, a família apresentou queixa no Ministério Público, de onde o caso seguiu imediatamente para o Supremo Tribunal.

Contudo, uma fonte dessa instância de justiça disse ontem, 27, à VOA que o caso foi devolvido ao Ministério Público por não ter cumprido as formalidades legais.

A falta de assinatura da denunciante, neste caso da mãe da criança, obrigou o juiz instrutor a ordenar a devolução do processo à procedência.

Enquanto são seguidas as tramitações judiciais, os familiares dizem que foram contactados no dia 25 pelo advogado Adelino Isidro, alegadamente a mando do suspeito, para negociar uma compensação financeira e material em troco do abandono do caso.

Contactado hoje, 28, o advogado Adelino Isidro negou todo e qualquer encontro com os familiares da vítima.

Entretanto, o avô da menor Joaquim Francisco, que é bispo da Igreja Nova Apostólica, confirmou e relatou o encontro com o advogado.

Para já, não há reacções oficiais quer do governo quer de outras instituições implicadas.

A tentativa hoje dos familiares em trazer o caso ao conhecimento público, por exemplo através da televisão pública, foi em vão.

Segundo os interessados, a TVS exigiu que fosse apresentada a prova médica e só depois daria tratamento à notícia.

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG