Links de Acesso

Isaac dos Santos irritado com críticas à subida dos preços

  • João Marcos

Isaac dos Anjos

Isaac dos Anjos

Governador de Benguela atribui crise à relação entre retalhistas e grossistas e pede à população para consumir produtos nacionais.

O governador de Benguela reagiu às críticas sobre a subida do preço dos alimentos e apelou a população a consumir produtos nacionais.

Isaac dos Anjos considera que a relação grossista/retalhista está na base da situação que se vive.

Isaac Maria dos Anjos encontrava-se no município de Caimbambo, a quase 100 quilómetros da Ganda, quando se intrometeu num debate radiofónico para lembrar que o comerciante grossista deve vender somente ao retalhista.

Numa atitude pouco comum, Anjos parou a marcha da comitiva, para o espanto de muitos integrantes, e explicou como tudo deve ser processado.

"É claro que, havendo aumento dos preços, todas as pessoas querem ir ao grossista, mas o grossista tem um limite de tempo de entrada, até porque os bancos fecham as 15 horas, pelo que não podem receber pessoas depois das 14 horas e 30 minutos, sob pena de sofrerem assaltos", sustenta o governante, para mais adiante sublinhar "não haver motivos para tanto alarme".

Depois de muitas queixas relativas à falta de divisas para a importação, com operadores económicos em desespero, o governador de Benguela avançou para o apelo ao consumo do que é nacional.

"É certo que não há divisas, mas temos os nossos bois e os cabritos. Se não comermos a carne importada, deixaremos de ter a carne?", questionou, ressaltando o mesmo em relação à fuba, que pode ser adquirida na Ganda, em Caimbambo e outros municípios.

Isaac dos Anjos sublinha que "o nosso peixe não desapareceu" e desafiou a população a regressar à banana cozida com o peixe.

Surpreendido com estas declarações, o deputado Alberto Ngalanela, secretário provincial da Unita, fala de um Governo a demitir-se das suas funções.

Ele acrescenta que o país andou amarrado às importações, pelo que pode, agora, ser confrontado com um quadro socioeconómico bastante sombrio.

"Agora que há escassez de divisas no mercado, a situação torna-se difícil e passa a ser autêntico calvário. São declarações que não se coadunam com a realidade", realça o político que diz preferir não acreditar na existência de um governante alheio ao que se passa no terreno.

XS
SM
MD
LG