Links de Acesso

Freedom House: A liberdade de imprensa diminuiu no mundo


Relatório da Freedom House

Relatório da Freedom House

São oito os países do mundo pior cotados pela Freedom House

A Freedom House, uma organização independente dedicada à expansão da liberdade no mundo, acaba de divulgar o relatório anual sobre a liberdade de imprensa a tempo do Dia Mundial da Liberdade de Imprensa que hoje se celebra.

A liberdade de imprensa diminuíu em varias áreas do mundo.


Apenas uma em cada seis pessoas no mundo beneficiou o ano passado de liberdade de imprensa. O presidente da Freedom House David Kramer refere que o declínio da liberdade de imprensa constitui uma preocupação.

“A liberdade de imprensa é essencial em qualquer desenvolvimento democrático de uma nação. Funciona como um contrapeso, como controlo da corrupção, promove a transparência, a boa governação, por isso uma imprensa livre é essencial”.

O relatório salienta que a percentagem das pessoas que usufruem de um ambiente de liberdade de imprensa desceu para o ponto mais baixo de uma década, devido à repressão por parte de regimes autoritários, instabilidade política e ameaças por parte de radicais islamitas.

Mansour Ali é um repórter nas áreas tribais do Paquistão, um de 64 países do grupo considerado “não livre” para os meios de comunicação.

“A segurança é o principal problema, já que há dois dias um colega meu foi ferido num ataque suicida e um outro foi morto”.

O Mali – outrora um dos ambientes de maior liberdade de imprensa em África – sofreu este ano o maior declínio na liberdade de imprensa. Desceu de uma nação com imprensa livre para uma das 70 nações parcialmente livres após o golpe militar e a captura da metade norte por parte de militantes islâmicos.

Na Europa, a Grécia também deslizou para a categoria de parcialmente livre. Os problemas económicos levaram a cortes generalizados de pessoal nos media e mesmo a encerramentos.

No Médio Oriente, a Líbia e a Tunísia conservaram os ganhos feitos na liberdade de imprensa durante as revoltas da Primavera Árabe.

No entanto no Egipto o ambiente diminuiu sendo agora descrito como não sendo livre.

Apesar dos declínios, o relatório destaca a melhoria em alguns países, incluindo a Birmânia.

Os oito países do mundo pior cotados pela Freedom House foram a Bielorrússia, Cuba, a Guine Equatorial, a Eritreia, o Irão, a Coreia do Norte, o Turquemenistão e o Uzbequistão.

Os media independentes nestes estados ou não existem ou praticamente não operam.
XS
SM
MD
LG