Links de Acesso

Importadores querem cortar medicamentos a hospitais angolanos

  • Redacção VOA

Foto de arquivo

Foto de arquivo

Não há divisas e governo não paga há vários meses.

Importadores ameaçam cortar o fornecimento de medicamentos aos hospitais públicos. Motivo: Dificuldades na transferência de dinheiro e o Governo não paga o que lhes deve há um ano.

Enquanto o Ministério da Saúde admite que a ruptura poderá ser iminente, o Sindicato dos Enfermeiros de Luanda diz que a falta de materiais gastáveis e de biossegurança é já um facto há vários meses.

O seu responsável Afonso Kileba disse à VOA que a falta de medicamentos já esteve na origem de uma reivindicação que até ao momento não foi atendida pela entidade empregadora.

O Ministério de Saúda previa realizar na última semana uma reunião de emergência com o Ministério das Finanças e fornecedores para travar ‘cortes radicais’.

Segundo o semanário “Nova Gazeta”, o Banco Nacional de Angola havia definido que a importação de medicamentos seria uma das prioridades no provimento de divisas, mas tal não tem sido cumprido

O director nacional de Medicamentos e Equipamentos do Ministério da Saúde, Boaventura Moura, foi citado pelo jornal como tendo conhecimento das dificuldades enfrentadas pelas importadoras.

Moura justificou o problema como sendo uma “consequência conjuntural” do contexto do país. Reconheceu haver processos que desde o ano passado não têm resposta dos bancos.

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG