Links de Acesso

Huíla: Primeiros médicos da Faculdade saem ainda este ano

  • Teodoro Albano

Autoridades esperam que permaneçam na província ajudando a reduzir déficit de médicos

A faculdade de medicina da Universidade Mandume Ya Ndemufayo no Lubango inserida na sexta região académica do país deve lançar ainda este ano os primeiros licenciados.




O anúncio que tem sido reiteradas vezes focado pelos responsáveis daquele estabelecimento do ensino superior, está a ser visto como parte da solução para o défice de médicos que enfrenta a província.

Receando que após a formação os futuros médicos se bandeiem para outras regiões do país na busca de melhores condições de trabalho, o governador provincial, João Marcelino Tchipingui, tenta sensibilizar os quadros para o contrário.

“O governo está a mobilizar jovens médicos que estão a terminar os seus cursos universitários para que venham dar a sua contribuição na nossa província,” disse o governador.

“Hoje contámos com hospitais em quase todos os municípios, precisamos por isso, de quadros capazes de fazer a gestão daqueles equipamentos,” acrescentou.

Um exemplo do défice de médicos está no maior hospital da região o Dr. António Agostinho Neto. Com noventa médicos setenta dos quais expatriados a unidade precisa do dobro para preencher todas as especialidades e responder a demanda actual.

O director clínico, Zola Diakussekele, acredita que parte dos médicos provenientes da faculdade de medicina do Lubango deverá trabalhar no hospital geral, Dr. António Agostinho Neto e diminuir a actual carência.

“A sexta região académica vai começar a licenciar já médicos novos. Acho que pode chegar por aí 50 novos médicos e o hospital central por ser o maior, nós estamos em crer que poderemos ter mais médicos e aí poderemos pouco a pouco superar o défice em termos de médicos,” disse.
XS
SM
MD
LG