Links de Acesso

Huíla: Agricultura é solução para crise económica

  • Teodoro Albano

Angola Huíla agricultores

Famílias procuram espaço para exercer a actividade

A crise económica e financeira que se abateu sobre Angola com grande incidência a partir de 2016 terá feito despertar em muitas famílias a prática pela agricultura.

Na província da Huíla são muitas as famílias que com a crise optaram por reaver ou adquirir um espaço de cultivo nas terras de origem, ou não, para diversificar as fontes de rendimento.

Para muitas famílias o risco de depender apenas do salário é grande, por isso, há que buscar alternativas no campo através de investimentos na produção de cereais, hortícolas e outros.

Domingos Cahuculo militar das Forças Armadas Angolanas (FAA) viu em Chipindo, a mais de 450 quilómetros a norte do Lubango, uma oportunidade de apostar no campo e diz estar a valer a pena.

“É preciso apostar no campo e cultivar para ajudar os mercados. Eu neste momento estou a cultivar feijão, milho e batata. Para mil está valer muito porque ajuda-me muito nos problemas de casa”, afirma Cahuculo.

O senhor Domingos é o exemplo de várias iniciativas particulares espalhadas pelos 14 municípios do interior.

O governo reconhece nas famílias uma grande contribuição na produção agrícola que na presente campanha espera envolver mais de quatrocentos mil agregados familiares.

O director provincial da agricultura, Lutero Campos, revela que numa fase actual a estratégia passa pelo aproveitamento dos espaços.

“Os chefes de família são eles que têm que tomar a peito. Nós numa altura como essa temos que tentar rentabilizar o máximo possível primeiro o espaço que a gente utiliza para fazer agricultura, rentabilizar as culturas para que elas tenham maior produtividade e conseguimos colocar maior quantidade de produto no mercado”, defende Lutero Campos

XS
SM
MD
LG