Links de Acesso

Depois do acordo PAIGC - PRS, faltam o pacto pacto de regime e o roteiro de transição - diz representante da UA na Guiné-Bissau

  • Redacção VOA

Edifício do Parlamento da Guiné-Bissau

Edifício do Parlamento da Guiné-Bissau

Organização pan-africana facilitou o acordo que deverá conduzir a formação de um governo inclusivo com a entrada do partido maioritário no executivo

O representante da União Africana na Guiné-Bissau, o embaixador Ovídio Pequeno considerou que a sua organização apenas criou o espaço de diálogo para os dois principais partidos políticos guineenses definirem as condições necessárias a transição política.

Ovídio Pequeno foi entrevistado pela Voz da América, para reagir a assinatura hoje em Bissau de um memorando entre os partidos PAIGC e PRS, que consideram terem dado os primeiros passos para desbloquear o impasse político em torno do processo de transição.


O respresentante da União Africana disse que a sua organização criou sim o diálogo necessário para o engajamento dessas duas formações políticas no tocante ao pacto do regime e o roteiro de transição.

O acordo foi assinado na sede da União Africana em Bissau e juntou o primeiro vice-presidente do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGV), Manuel Saturnino da Costa, e o presidente do Partido da Renovação Social (PRS), Alberto Nambeia.

No documento, os dois partidos salientam que a existência de entendimento entre os políticos da Guiné-Bissau é uma condição indispensável para que a comunidade internacional possa apoiar o período de transição.
XS
SM
MD
LG