Links de Acesso

Guiné-Bissau “Não pode continuar assim”, diz o cantor Remna Schwarz

  • Amâncio Miguel

Remna, cantor guineense

Remna: “Queremos que todas que as necessidades imediatas da população sejam respeitadas".

O título conduz ao debate de momento na Guiné-Bissau, país mergulhado numa crise politica.

Remna é guineense e através da música junta-se aos que querem dias melhores no seu país.

“No meu novo trabalho falo muito de política, mas não de uma forma radical. Sempre escrevi de uma forma poética.” diz o artista que herda a música do seu pai, o legendário José Carlos Schwarz.

Desse novo trabalho, Remna já colocou no mercado digital o tema “Nha balanta”, descrito “hipnótico e arrasador” e baseado na expressão guineense kussundé.

Ele diz que pretende, sem ser demagogo, transmitir através da música, a sua visão sobre a situação da Guiné-Bissau, onde “temos líderes que dão costas ao que os antigos combatentes fizeram”.

Remna não se limita a criticar. Espera ver mudanças.

“Nós todos estamos à espera disso. Queremos que todas que as necessidades imediatas da população sejam respeitadas; que vire um país que não fale mais de corrupção. Não pode continuar assim”.

Para Remna, a música é um importante veículo de comunicação.

"Eu não pretendo ser o mais inteligente ou mais talentoso, estou só a tentar a partilhar uma forma de ser; a música tem de ser uma coisa sincera,” diz.

Ele procura “ser o mais sincero possível com o público e não fazer a coisa só pelo dinheiro”.

Mas “infelizmente temos muitos jovens que entram nesta onda por ser ´fixe´ e acabam tendo uma linguagem musical muito fácil” para conquistar o público.

Acompanhe a entrevista:

XS
SM
MD
LG