Links de Acesso

Bissau volta a acusar Portugal de envolvimento no ataque a um quartel no Domingo

  • Lassana Casamá
  • Redacção VOA

Militares em Bissau no dia seguinte à primeira volta das eleições presidenciais de 18 de Março

Militares em Bissau no dia seguinte à primeira volta das eleições presidenciais de 18 de Março

Porta voz reitera que capitão exilado foi o chefe da intentona. Analistas descrevem o mesmo como uma "inventona"

O governo guineense reiterou que o ataque de Domingo contra o quartel dos para comandos em Bissau foi levado a cabo por um oficial exilado anteriormente em Portugal, o capitão Pansau Intchama, e contou com o apoio do governo português.

Isto depois de terem sido levantadas dúvidas sobre o mesmo com alguns analistas a afirmar que os distúrbios são o resultado de problemas internos das forças armadas guineenses e que o ataque foi na verdade uma “inventona”.

O porta voz do governo, Fernando Vaz, fez notar que nem o governo português nem o próprio Capitão Intachama tinham vindo a publico desmentir as acusações.
Vaz fez notar que Intachama poderia vir a público em Portugal e afirmar nada ter a haver com a tentativa de ataque.

Vaz falava após uma reunião do gabinete governamental,a primeira reunião desde a alegada intentona.




Os governantes depostos no golpe militar de 12 de Abril e a residir actualmente em Lisboa condenaram entretanto veementemente os sequestros, perseguições e espancamentos de dirigentes e responsáveis políticos" e repudiam "os actos de invasão e vandalização" da sede do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC).

No texto, enviado à agencia de noticias portuguesa Lusa em papel timbrado da República da Guiné-Bissau e assinado pelo “Gabinete do Primeiro-Ministro do Governo Legítimo da República da Guiné-Bissau”, é reafirmada também a "urgência" de criação de um Tribunal Penal Internacional para a Guiné-Bissau e o envio de uma força militar para o país.

Os dirigentes exilados rejeitam as s acusações de que teriam estado por detrás do ataque ao quartel dos para comandos no Domingo afirmando que O Governo Legítimo da República da Guiné-Bissau foi surpreendido com os acontecimentos.

Para os dirigentes exilados os acontecimentos de 21 de Outubro são um ato de clara demonstração do estado de desespero e desnorte em que se encontram os usurpadores do poder legítimo que, na vã tentativa de branquear, justificar ou tentar desviar as atenções sobre o caminho da bancarrota e de implosão interna a que estão conduzindo a nação, forjam “um mano militar atirando as culpas sobre terceiros

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG