Links de Acesso

Guiné-Bissau assinala 42 anos de independência

  • Lassana Casamá

Nino Vieira e Amílcar Cabral

Nino Vieira e Amílcar Cabral

VOA apresenta uma série de reportagens sobre o país.

A Guiné-Bisau comemora esta semana 42 anos da proclamação da independência.

Nino Vieira, presidente da primeira Assembleia Nacional Popular proclamou a independência da Guiné-Bissau nas matas de Colinas de Boe.

Teadora Inácia Gomes, actualmente com 81 anos de idade, fez fazer parte das poucas pessoas que procuraram e encontraram o local da proclamação da Independência Nacional, entre Luís Cabral e Nino Vieira.

Uma das pessoas que assistiram à proclamação da independência foi Zé Lopes, conhecido pelos então guerrilheiros, através da sua voz, com a qual animava diferentes frentes de combate.

Enfermeiro de profissão, tal como o pai, aquando da declaração unilateral da independência da Guiné-Bissau, tinha 29 anos na altura.

Proclamada a independência, na ausência do fundador das nacionalidades da Guiné e Cabo Verde, Amílcar Lopes Cabral, assassinado meses antes, o objetivo era cumprir o programa maior: desenvolver o país em todas as suas dimensões.

A esperança dos jovens era evidente, como lembra Rui Landim.

Antes da independência, sob a visão ideológica do general português que dirigia a luta contra o Partido Africano para a Independência de Cabo Verde e Guiné-Bissau(PAICV) António Spínola, começava-se a criar uma estrutura social e económica, de certa forma orientada, na lógica da criação de uma elite própria guineense.

Hoje, 42 anos depois, apesar dos testemunhos que recordam a gesta independentista dos combatentes do PAICV, a situação não é a desejada pelos que presenciarem o 24 de Setembro de 1973.

No entanto, os combatentes e a geração de então dizem não arrepender-se de terem colocado a sua vida em risco a favor da independência do país.

Oiça a reportagem que integra uma série sobre o 42o. aniversário da independência da Guiné-Bissau.

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG