Links de Acesso

Guiné-Bissau: 775 mil eleitores escolhem presidente e legisladores


Guiné Bissau, Eleições 13 de Abril 2014, campanha de Nuno Nabiam

Guiné Bissau, Eleições 13 de Abril 2014, campanha de Nuno Nabiam

Nas diversas mesas de voto visitadas pela VOA a ordem e a tranqulidade eram visíveis e o trabalho decorria sem qualquer problema.

Na Guiné-Bissau cerca de 775 mil eleitores escolheram hoje o seu presidente ou os candidatos que passarão à segunda volta das eleições, bem como os seus deputados.
Os eleitores chegaram a muitas assembleias de voto ainda antes de estarem abertas, às 7 horas, e não há notícias de grandes atrasos.

Nas diversas mesas de voto visitadas pela VOA a ordem e a tranqulidade eram visíveis e o trabalho decorria sem qualquer problema.

Os eleitores manifestaram a sua satisfação por terem exercido o seu direito de voto e com muita esperança de que agora será de vez.

“Sinto-me bem, quero ver a terra no bo caminho como os outros países”.

Uma eleitora sentia-se feliz por ter votado no seu presidente e no seu primeiro-ministro, “é a minha esperança”.

O presidente da Comissão Nacional de Eleições Augusto Mendes afirmou não ter havido problemas de maior, à excepção de alguns eleitores que tiveram dificuldades em localizar a sua assembleia de voto e de algum atraso em Almería, na Espanha.

O antigo presidente de Moçambique Joaquim Chissano, que lidera a missão de observadores da União Africana, manifestou à VOA o que viu neste domingo: “Ordem e disciplina, as pessoas querem votar, chegaram cedo para votar, um grande dia, sem dúvida”.

O presidente do Governo de Transição Manuel Serifo Namadjo apresentou-se à assembleia de voto sem cartão, tendo por isso que aguardar pelo documento. “É a lei e tenho de cumpri-la”, disse Namadjo em conversa com observadores e populares.

Confiante de que essa será a vez, o presidente do Governo de Transição lembrou que a comunidade internacional está de olho na Guiné-Bissau.

De acordo com analistas locais, José Mário Vaz, do PAIGC, Nuno Nabiam, independente mas com um forte suporte dos apoiantes de Kumba Yala, e o também independente Paulo Gomes postulam-se como os principais candidatos à segunda volta das eleições presidenciais previstas para 18 de Maio.

Quanto às legislativas, o PAIGC e o PRS lutam pela maioria dos 102 deputados, dos quais dois são da diáspora, o que acontece pela primeira vez.

Uma fonte da Comissão Nacional de Eleições que pediu o anonimato disse à VOA que o orgão está a envidar esforços para apresentar os resultados provisórios até amanhã à noite, mas observadores nacionais e internacionais estimam que até quarta-feira os resultados serão anunciados.

VOA-Bissau- Alvaro Ludgero Andrade com a colaboração de Lassana Cassamá
XS
SM
MD
LG