Links de Acesso

Greve na petrolífera SPIE Oil & Gas Services

  • Coque Mukuta

Plataforma petrolífera

Plataforma petrolífera

Caderno reivindicativo foi entregue há mais de quatro meses

A cidade de Luanda volta a viver mais um dia de greve, agora, da empresa petrolífera SPIE Oil & Gas Services. Na base dessa paralização, que já vai no seu segundo dia, estão baixos salários e não-valorização dos trabalhadores, segundo os grevistas.

Até agora a entidade empregadora não se pronunciou sobre a greve de mais de 300 trabalhadores da empresa petrolífera SPIE Oil & Gas Services.

Os trabalhadores decidiram avançar para a greve depois de a direcção da empresa não responder aos mais de oito pontos existentes no caderno reivindicativo entregue há mais de quatro meses, tal como disse à VOA Eduardo Talambuta, primeiro secretário das Indústrias Petroquímicas de Angola que representa os trabalhadores.

Eduardo Talambuta disse que enquanto não houver qualquer flexibilidade por parte da entidade empregadora a greve vai continuar por tempo indeterminado.

“Estamos aqui à espera que nos digam alguma coisa para poderemos dizer aos nossos filiados para terminarmos a greve”, frisou.

A VOA tentou o contacto com a direcção da empresa mas não obteve qualquer resposta.

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG