Links de Acesso

"Governo tem de explicar situação financeira de Angola", diz Alves da Rocha

  • Coque Mukuta

Vista panorâmica da baía de Luanda

Vista panorâmica da baía de Luanda

Director do Centro de Estudos e Investigação Científica de Angola (CEIC) responsabiliza o Governo pela situação.

O Ministério das Finanças de Angola anunciou em comunicado a revisão dos principais indicadores macroeconómicos para 2016, nomeadamente a revisão em baixa do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), de 3,3 por cento para 1,3 por cento, e do aumento do défice estatal, que passa de 5,5% para 6%, obrigando a maior endividamento público.

O director do Centros de Estudo e Investigação Científica de Angola (CEIC), responsabiliza o Governo pela situação e diz que o Executivo deve explicações.

O Ministério das Finanças reconhece que “a curto prazo não há alternativa à aplicação de uma política de austeridade, com cortes no consumo público, ou seja, despedimento de funcionários, ajustamentos salariais”.

“Como é que um país que andou a crescer com aquelas taxas malucas, chega a esta situação?” questionou o director do CEIC, Alves da Rocha, o Governo, frisando ainda “a carência de alimento de divisas, as fabricas estão a fechar e o desemprego está a aumentar” disse.

Aquele economista lembrou ainda que o comunicado da Conferência Eclesiástica de Angola e São Tomé e Príncipe (CEAST), sobre a situação económica do país já espelhava esta realidade: “não vi nenhuma voz do Governo a vir contrariar o comunicado da CEAST ou pelo menos dizer aqui está o problema”.

O Ministério das Finanças prevê agora arrecadar 18 mil milhões de dólares em receitas fiscais, menos 25 por cento face ao estimado inicialmente, uma quebra inferior ao corte nas despesas.

XS
SM
MD
LG