Links de Acesso

Governo e Renamo chegam a acordo sobre despartidarização da Administração Pública


Foto de Arquivo

Foto de Arquivo

Documento será assinado na sexta-feira, 19, antes de ser enviado ao Parlamento.

Alfredo Júnior

O Governo e a Renamo chegaram a hoje a um consenso sobre a despartidarização da Administração Pública depois de mais de 100 rondas de negociações.Depois de recuos e avanços, as duas partes prometeram assinar o acordo na próxima sexta-feira, 19, seguindo o documento depois para a Assembleia da República, onde deverá ser apreciado e votado.

"Podemos dizer que tecnicamente o ponto três da agenda sobre a despartidarização da administração pública está concluída de forma consensual e estão criadas condiçõs para na próxima ronda negocial entrarmos no quarto e último ponto da agenda que avitualhar das questões econômicas", disse José Pacheco, chefe da delegação do Governo.

Saimone Macuiane, chefe da delegação da Renamo, considerou que "este ponto está concluído e, uma vez adoptado, passará à homologação pelas lideranças das duas partes".

Para o padre Filipe Couto, um dos mediadores do diálogo, o consenso alcançado revela que as duas partes podem chegar a entendimento sem interferências de terceiros, que se "misturavam demais em coisas de casa" transformando o diálogo em "quase neocolonialismo".

Entretanto, o jornalista e analista Alexandre Chiure considera que este entendimento poderá revelar novos ares para o diálogo, após o extremar de posições da Renamo durante a recente reunião do Conselho Nacional realizado na Beira.

"As delegações nos habituaram a crises atrás de crises e isto pode significar uma nova era de diálogo em que as partes perceberam que não estavam a ser produtivas e era princípio imprimir alguma dinâmica para que as coisas tivessem outro rumo", disse Chiure.

No final desta ronda, o Governo manifestou a vontade de enquadrar os 35 oficiais do partido da oposição, que integrava a força de observadores de paz, Emochn, nas Forças de Defesa e Segurança.

Por sua vez, a Renamo defende o aquartelamento dos mesmos em Satungira, distrito da Gorongosa, província de Sofala.

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG