Links de Acesso

Governo de Moçambique promete esclarecer atentado contra Manuel Bissopo

  • William Mapote

Praça da Independência em Maputo

Praça da Independência em Maputo

Antigo mediador entre Governo e Renamo teme aumento da tensão no país.

Vinte e quatro horas depois do atentado contra o deputado e secretário-geral da Renamo, o ministro moçambicano da Defesa Nacional Atanásio Mtumuke disse à VOA que o Governo, na altura, não tinha detalhes sobre o atentado, mas deixou garantias de que tudo será feito para esclarecer o caso.

O atentado contra Manuel Bissopo ocorre numa altura em que as Forças de Defesa e Segurança vinham efectuando movimentações fora do comum junto das sedes da Renamo em Maputo e na Beira, mas o governante diz tratar-se de medidas operativas normais das autoridades.

Por outro lado, Lourenço do Rosário, antigo mediador do diálogo político entre o Governo e a Renamo, receia que o caso Bissopo possa ser usado para agravar a tensão política em Moçambique.

A Renamo ainda não reagiu oficialmente ao atentado, tendo o seu porta-voz António Muchanga lamentado a informar do incidente e sobre o estado de saúde do secretário-geral.

Entretanto, a líder parlamentar do principal partido da oposição disse atribuir à Frelimo todos os atentados e ataques contra dirigentes e militares da Renamo.

Ivone Soares também acusou as Nações Unidas de "assobiarem para o lado" face à situação política em Moçambique, bem como as principais missões diplomáticas em Maputo, referindo os casos concretos de Portugal, Estados Unidos, Reino Unido e Itália como símbolos de "um estranho silêncio".

Por seu lado, a Frelimo, através de Mariano Matsinha, um dos quadro seniores do partido e membro do Conselho Nacional de Defesa e Segurança, não tem dúvidas de que o atentado a Manuel Bissopo, de que resultou a morte do seu guarda-costas, foi protagonizado por elementos do seu próprio partido, mas sem apresentar provas.

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG