Links de Acesso

Gasóleo já foi retirado do navio desaparecido ao largo de Luanda


Angola e armador em contradição. Os propietários insistem que navio-tanque foi alvo de ataque pirata. Marinha angolana diz que não houve sequestro

O proprietário do navio Kerala e as autoridades angolanas estão em confronto sobre o que se passou no alto mar ao largo de Luanda, quando este navio desapareceu.


O proprietário disse Segunda-feira que o navio foi efectivamente sequestrado por piratas, acrescentando que autoridades internacionais e agências de informação experientes em incidentes de pirataria vão subir a bordo do navio para “recolher informações e provas forenses" de que houve realmente um acto de pirataria ao largo de Angola.

Isto contradiz o que disse no Domingo o porta-voz da marinha de guerra angolana, capitão Augusto Alfredo, o qual afirmou não ter havido um acto de pirataria mas sim um acto combinado entre os tripulantes do navio e um rebocador nigeriano.

O capitão Alfredo disse que a tripulação do navio tinha actuado em conluio com um rebocador semelhante a outro usado em outros actos de pirataria.

Mas a companhia Dynacom Management insiste que houve um acto de pirataria e diz mesmo, sem dar outros pormenores, ter havido um ferido entre os tripulantes.
A companhia diz que quer que sejam levados à justiça os autores do sequestro do navio afirmando que foi roubada “uma grande quantidade de carga".

Segundo a empresa petrolífera angolana Sonangol o Kerala tinha sido fretado o para transportar 60 toneladas de gasóleo e estava a ancorado a cerca de 12 quilómetros de Luanda a aguardar autorização para atracar na capital angolana.

Piratas que operam ao largo da Nigéria desviam regularmente navios tanque e petroleiros para roubarem os combustíveis a bordo.

A confirmar-se que houve um acto de pirataria este será o ataque levado a cabo mais a sul da costa ocidental de África, algo preocupante para as autoridades angolanas.

Neste caso o que se passou de certeza é que o gasóleo a bordo já desapareceu conforme confirmou o porta-voz da marinha angolana o capitão Augusto Alfredo.

Alfredo disse que o barco e o rebocador que esteve envolvido na operação encontram-se na Nigéria e que a carga já desapareceu.

Para o capitão Alfredo compete agora à Sonangol e á companhia proprietária do navio tentarem averiguar o que se passou com a carga.

Na próxima semana a União Africana vai reunir se para discutir acções imediatas contra a pirataria marítima.

Em Lisboa, o secretário de estado dos negócios estrangeiros Luis Campos Ferreira disse que a União Europeia deve ajudar os países africanos da região do golfo da Guiné a resolverem a pirataria marítima.
XS
SM
MD
LG