Links de Acesso

Frelimo deve escutar Renamo, dizem analistas


Guerrilheiros da Renamo treinando na Gorongosa em 2012

Guerrilheiros da Renamo treinando na Gorongosa em 2012

Desde finais do ano passado que a Renamo tem vindo a intensificar os seus ataques, sobretudo na zona centro de Moçambique.

Em Moçambique, muitas vozes dizem que a Frelimo deve escutar as exigências da Resistência Nacional Moçambicana- Renamo para que esta possa parar com os ataques que nos últimos tempos tem vindo a intensificar no país.
Desde finais do ano passado que a Renamo tem vindo a intensificar os seus ataques, sobretudo na zona centro do país, havendo agora indicação da concentração de homens no sul, sobretudo na província de Inhambane.
O analista José Mathlombe diz que a Frelimo deve escutar as preocupações da Renamo, para se poder ultrapassar a presente tensão política no país. Entende que a Frelimo deve assumir compromissos com a Renamo, sobretudo na questão da revisão do pacote eleitoral, bem como na distribuição da riqueza.

De contrário, o líder da Renamo, Afonso Dhlakama, vai sempre usar, como estratégia, o único elemento de pressão que tem, os homens armados, sobretudo neste ano de eleições legislativas e presidenciais.

Manuel Camilo diz também que os ataques da Renamo visam forçar o Governo a ceder e obrigar as populações a pressionarem o executivo.
Uma das exigências da Renamo tem a ver com a composição da Comissão Nacional de Eleições, e o deputado Ismael Mussá considera que a mesma deve ser mais inclusiva e não abra espaço para contestação.

O académico Calton Cadeado entende também que os ataques que a Renamo tem vindo a realizar são uma forma de pressão sobre o Governo e diz que é preciso ter em conta algumas das questões que ela coloca.

Entretanto, José Matlombe critica a atitude pouco cooperativa da Renamo, principalmente o seu afastamento da vida política nacional, considerando que isso poderá prejudicar a própria Renamo, neste ano de eleições.
“É verdade que temos uma hegemonia da Frelimo no campo político, que se traduz na contínua marginalização da Renamo, mas penso que a mesma devia ser um pouco mais cooperativa, tendo em conta o seu papel no processo de democratização do país”.

Mas Lucas Matusse diz que a estratégia de pressão da Renamo, pode não ser muito prejudicial para o partido, porque também há queixas das populações relativamente a outros aspectos da vida sociopolítica do país.

Ramos Miguel, VOA-Maputo

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG