Links de Acesso

FNLA acusa o MPLA de falsificar a história

  • Manuel José

O fundador e líder histórico da FNLA, Holden Roberto (centro) fotografado em Angola, em 1975.

O fundador e líder histórico da FNLA, Holden Roberto (centro) fotografado em Angola, em 1975.

Fernando Pedro Gomes diz que data de fundação do partido no poder foi falsificada para justificar o envolvimento no 4 de Fevereiro.

A FNLA exige participar em qualquer comissão para a elaboração da história moderna de Angola, disse Fernando Pedro Gomes, secretário para os assuntos jurídicos e constitucionais desse partido.


Gomes repetiu as acusações de que o partido no poder tem vindo a deturpar a verdadeira história do início da luta armada, acusando agora também o MPLA de falsificar a data de formação do partido.

Aquele dirigente da FNLA disse que que “não há nenhuma mão” do MPLA no início da luta armada a 4 de Fevereiro de 1961.

"Os bajuladores na Rádio Nacional e na Televisão, muitos a falarem sem eira nem beira, esqueceram-se de que o MPLA tinha acabado de nascer apenas em 1960 sobre pressão sofrida pelos seus dirigentes na segunda Conferência de Túnis em Dezembro de 1960”, disse Gomes para quem na data em que a luta armada foi iniciada “o MPLA não estava em condições nem organizacionais nem estruturais para levar a cabo nenhuma acção política de relevo no interior de Angola”.

O dirigente da FNLA disse que o MPLA tinha nascido na Guiné Conacry, sem raízes no interior de Angola.

Os relatos da PIDE (a polícia secreta do regime colonial) são claros sobre esta matéria, portanto quem quiser falsificar a história tem de procurar outra história," continuou Gomes, acrescentando ainda que, para além de falsificar o seu envolvimento no 4 de Fevereiro, o MPLA falsifica também a data da sua formação para poder reivindicar a sua participação no início da luta armada.

Fernando Pedro Gomes disse que um dos dirigentes históricos do MPLA, Mário Pinto de Andrade, tinha reconhecido antes de morrer que o MPLA não estava relacionado com o 4 de Fevereiro e que, ao contrário do propagado, o MPLA não tinha sido formado em 1956.

"É uma situação muito perigosa, há uma tentativa de forjar a verdade com o intuito de ser protagonista da história e subverter os factos, com intenção de neo colonizar o angolano”, disse Gomes para quem o MPLA “sofre de complexos de inferioridade".

Para aquele dirigente, o facto dos antigos combatentes da UPA e FNLA estarem votados ao abandono parece enquadrar-se na estratégia de se dizimar as fontes históricas reais.

O objectivo, disse, “é matar a história de todos estes velhos para depois eles inventarem a historia à sua maneira".

"Se nós queremos uma história genuína puramente angolana sem acrescentar-lhe quaisquer tipos de ingredientes de falsidade porque não convidar a UPA/FNLA para fazer parte da Comissão para elaboração da historia moderna?”, interrogou Fernando Pedro Gomes.

Nós queremos fazer parte de todas comissões para elaborar a Historia moderna de Angola", concluiu.

Não foi possível obter uma reacção do MPLA.

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG