Links de Acesso

FLEC desmente afastamento de Nzita Tiago


Nzita Henriques Tiago, líder histórico da FLEC

Nzita Henriques Tiago, líder histórico da FLEC

Dissidentes que anunciaram afastamento de líder histórico apelidados de "oportunistas"

A FLEC desmentiu que o seu presidente e líder histórico, Henrique Nzita Tiago, tivesse sido afastado.

"A Frente de Libertação do Estado de Cabinda vem através desta nota apresentar um desmentido formal e categórico sobre as informaçoes de um pequeno grupo de oportunistas transmitida na VOA sobre a exclusão da FLEC de sua Excelência o Sr. Henriques Nzita Tiago", lê-se num comunicado enviado à nossa redacção.

Assinado em nome de Nzita Tiago pelo secretário para a Informação, Osvaldo Buela, o documento acrescenta que "apenas um congresso ordinário ou extraordinário com plena legitimidade pode suspender, remover e substituir o presidente da FLEC, e não um grupo de indivíduos sem bases nem legitimidade no seio da população e nas em Forças Armadas de Cabinda”.

Excorta, ainda, os militantes a “não cederem às mentiras e armadilhas de alguns agitadores”, denunciando as tentativas de “sujar e denegrir a imagem e credibilidade do movimento, impedir e sabotar a união” do mesmo.

Um grupo de dirigentes do movimento anunciaram o afastamento de Nzita Tiago e a sua substituição pelo "ministro dos Negócios Estrangeiros" do governo da FLEC no exílio, Afonso Massanga. Joel Batilla, até ao momento conselheiro de Nzita Tiago, é outro dos dissidentes.

Entrevistado pela Voz da América, Massanga admitiu que Tiago não reconhecia a sua direcção e "tentou afastar-nos da direcção da FLEC mas pelo contrário nós é que o afastamos" por ter violado artigos da constituição da organização.

Massanga disse que Nzita Tiago tinha sido afastado “por faltas ou erros graves” na liderança do movimento.

O comunicado da FLEC, assinado por Osvaldo Buela sublinha que o "Sr. Henriques Nzita Tiago não pode ser acusado de traição por apenas pelo único motivo de receber os honoráveis membros da sociedade civil cabindesa ou Angolana que estão empenhados a procura de uma solução de paz pacífica e negociada através de um diálogo entre Cabindas e angolanos."

A FLEC anunciou ainda uma reestruturação interna dos seus quadros europeus, tendo substituído os dissidentes que ocupavam cargos de direcção ou assessoria.

Afonso Massanga e Joel Batilla já não figuram entre os responsáveis pelo movimento na Europa. O novo vice-presidente é o representante na Bélgica, António da Silva Anny Kitembo.

Emmanuel Nzita, filho de Nzita Tiago, é Conselheiro Especial do pai; Osvaldo Franque Buela, Secretário para Informação e Comunicação; Arsienne Bivouma, Secretário para a Juventude; e Jean Claude Nzita, conselheiro de Comunicação.

Por razões não claras, não foram nomeados os responsáveis da Defesa, Interior e Segurança, Economia e Finanças, e Negócios Estrangeiros.

Num comunicado, a direcção da FLEC diz que, na impossibilidade de se realizar uma conferência inter-Cabindesa, recebeu mandato da comissão ad hoc por forma a procurar (citamos) “uma solução pacífica de paz para Cabinda” na forma de uma proposta a apresentar, mais tarde, ao que chama “plataforma consensual das forças políticas de Cabinda”.

XS
SM
MD
LG