Links de Acesso

Explosivos encontrados e destruídos em Malanje

  • Isaías Soares

Populações descobriram material de guerra.

Campos de minas e engenhos explosivos não detonados estão espalhados um pouco por toda a província de Malanje, onde o conflito armado deixou marcas visíveis para os angolanos e para a sua economia.

A pouco menos de 20 quilómetros a noroeste da capital, na aldeia de Camissoque, comuna de Cambaxe, município de Malanje as populações alertaram o Instituto Nacional de Desminagem (INAD) para a descoberta de material de guerra com capacidade combativa.

O órgão do Governo vocacionado depois de identificar contabilizou 355 engenhos explosivos, tendo a cerimónia de destruição acontecido na terça-feiram, 11, naquela localidade.

Dos meios letais destruídos pelos especialistas do INAD constavam 64 morteiros de 60 mm, cinco de 81 mm, 31 de 82 mm, um de 120 mm, 21 roquetes de RPG-7, 22 granadas Castor, quatro de dilagramas, seis espoletas de morteiro de 82 mm, três de minas antitanque e cinco antipessoal.

Dois projécteis D 30 e dois de 105 mm e munições diversas foram encontrados numa área de 200 metros quadrados, na localidade de Camissoque, comuna de Cambaxe.

Angola coordenador provincial da acção contra minas Malanje, Manuel Campos

Angola coordenador provincial da acção contra minas Malanje, Manuel Campos

“Essas terras serão devolvidas às populações para permitir a prática da agricultura e outras actividades úteis a economia nacional”, afirmou o vice-governador de Malanje para o Sector Político e Social, Manuel Campo, que apelou os cidadãos a comunicarem às autoridades sempre que encontrarem objectos estranhos.

As acções do INAD vão continuar com a limpeza de dois campos minados no município do Quela, 115 quilómetros a nordeste desta província.

XS
SM
MD
LG