Links de Acesso

Ex-militares zangados com exclusão no processo de agentes licenciadores no Namibe

  • Armando Chicoca

Centralidade do Namibe

Centralidade do Namibe

Ex-militares pedem ao governador Rui falcão para ultrapassar a situação enquanto pode, na qualidade de representante do Presidente da República no território.

O descontentamento dos ex-militares no Namibe tem a ver com a suposta insubordinação dos responsáveis Instituto Nacional de Estatística que descartaram a orientação do governador da Província, Rui Falcão, no que diz respeito à inclusão de 20 ex-combatentes, devidamente seleccionados pelo FIDEGA, para integrar a lista de agentes licenciadores da província.

O Secretario Provincial do Fórum dos Desmobilizados de Guerra em Angola (FIDEGA) José Domingos Tchiloya João disse que esta rejeição visa tão-somente criar um mau estar na província.

“Não deram valor às pessoas que ontem também foram jovens, dizem que nós somos analfabetos, não estudamos para este trabalho, mas nenhum de nós é analfabeto. Eu pessoalmente tenho a 8ª classe e o governador direccionou o nosso documento ao INE para integração dos 20 ex-militares seleccionados, mas fomos humilhados, por isso que viemos aqui na VOA manifestar o nosso descontentamento”, disse o responsável do FIDEGA.

Fernando Tchifo, Secretario do FIDEGA para Administração e Finanças disse que foi humilhado na porta do Instituto Nacional de Estatística do Namibe, onde aqueles responsáveis destrataram os ex-combatentes, chamando-os de analfabetos e pessoa sultrapassadas no espaço e no tempo.

Ele explica que a maior parte dos ex-militares seleccionados têm o mínimo a oitava classe, são detentores de excelente caligrafia, escrevem bem e no passado trabalharam com a estatística nas suas unidades militares durante muitos anos, mas não foram formados nas universidades portuguesas.

Disse que há má-fé por parte de alguns membros do Governo da província do Namibe, cujo comportamento presume-se instigar os ex-militares para se rebelar contra o Governador.

Tchifo diz mesmo que o governador Rui Falcão é uma pessoa atenciosa, atende as preocupações dos desmobilizados, mas diz não compreender como é que a base recusa-se cumprir a orientação superior.

Algumas causas da exclusão dos ex-militares, segundo o dirigente do FIDEGA-Namibe, estão identificadas e tem a ver com a má distribuição dos rendimentos do país, um comportamento que propicia conflitos em Angola, Moçambique e Guine Bissau.

Um apelo vai para o governador Rui falcão no sentido de ultrapassar tal situação, enquanto pode, na qualidade de representante do Presidente da Republica no território.

A VOA procurou ouvir a versão do responsável do Instituto Nacional de Estatística, no Namibe, mas sem sucesso.

Um documento do gabinete do vice-governador para esfera económica Alcides Gomes Cabral a que a VOA teve acesso, o Governo da província orienta de facto a inclusão dos 20 ex-militares ao contingente licenciador a ser recrutado na Província do Namibe.

Localmente, segundo apurou a VOA, a acção formativa dos licenciadores entra na sua fase derradeira nos próximos cinco dias, diminuindo-se deste modo a expectativa de inclusão dos ex-militares neste processo em curso.

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG