Links de Acesso

Estudo do MISA-Angola conclui partidarização da imprensa pública

  • Manuel José

Partidos queixam-se de tratamento desigual

Os partidos políticos na oposição queixam-se de tratamento desigual na imprensa pública e em alguns meios de comunicação privados, relativamente ao partido da situação.

A oposição não quer que se repita o cenário das eleições anteriores em que, segundo os partidos, o MPLA foi favorecido nos espaços de informação sobretudo na imprensa estatal.

As organizações da classe jornalística dizem que a imprensa pública parece propriedade do partido que governa e que para estas eleições pouco ou nada se vai alterar.

A queixa vem da UNITA, CASA-CE, PRS, Bloco Democrático e até de associações críticas ao Executivo.

Um estudo feito pelo Instituto de Comunicação da África Austral (MISA Angola) ainda não publicado em formato papel, concluiu que em termos de acesso à imprensa do Estado o Governo, o MPLA e a Presidência da República levam uma vantagem muito substancial em relação aos demais partidos políticos e mesmo a associações considerada críticas ao Executivo.

''Há um predomínio na ordem dos 50 por cento do governo do MPLA e da Presidência da República da imprensa estatal”, diz Alexandre Solombe, do MISA Angola, para quem os partidos da oposição podiam ter uma palavra a dizer na reposição desta situação.

''Os deputados deviam fazer greve para exigir mais liberdade de imprensa por exemplo na transmissão em directo das sessões parlamentares, não assistir as sessões enquanto a situação não mudasse”, defendeu Solombe que alertou para o facto dessa realidade poder afectar as eleições de Agosto.

O jornalista Elidio Manuel considera que nas actuais condições mais valia a pena não haver eleições.

''É uma fachada estarmos a chamar isto de eleições só para cumprir os ciclos eleitorais e vendermos a ideia de democracia quando na verdade não existe, todos os dias até parecem mais órgãos partidários do que públicos e nós os contribuintes pagamos para ver uma imprensa a prestar um serviço público, mas na prática os órgãos públicos são autênticas caixas de ressonância do partido no poder”, aponta Manuel, que pergunta “como é que vai haver eleições justas?''

O jornalista e antigo deputado Makuta Nkondo, por seu lado, afirma que “o partido no poder tem a faca e o queijo na mão, tem toda a comunicação social, o MPLA usa e abusa dos órgãos de comunicação social, a TPA quase dia e noite tornou-se numa televisão partidária do MPLA".

Tanto o MISA Angola como o Sindicato dos Jornalistas Angolanos dizem não poder alterar o cenário actual.

XS
SM
MD
LG