Links de Acesso

Estrangeiros encantam-se com simplicidade e espírito de solidariedade dos angolanos


Luanda

Luanda

Confusão, desorganização, turbulência contrastam com simplicidade e solidariedade, segundo os expatriados em Angola.

Com a paz alcançada em 2002 Angola não tardou flamejar os seus pontos fortes para o mundo. O país tornou-se num dos pontos políticos e económicos mais procurados do continente africano. O elevado fluxo migratório confirma os dados.

Para quem pela primeira vez pisa o solo angolano, o primeiro encanto revela-se na simplicidade de um povo rico de culturas, na sua receptividade e solidariedade, valores que superam sinais tristes de um país que viveu perto de 30 anos em guerra.


Samuel Carapinha é empresário, vive em Angola há seis anos e falou à Voz da América sobre o seu primeiro encanto.

“O que mais me encantou foi a sua simplicidade. Nós crescemos na Europa, com os modelos que nos ensinam com os parâmetros que temos que seguir, porque os nossos pais fazem isto e aquilo e nós também temos que fazer”.

O encanto da italiana Frederica Pilia foi a solidariedade e o espírito de ajuda mútua que reina entre os angolanos.

“Cada um com o pouco que tem consegue ajudar a pessoa que tem dificuldade. Não sei se isto tem de facto a ver com a cultura ou é uma herança da situação de guerra, mas é algo que eu aqui aprecio muito”, disse.

Frederica Pilia teve também impressões negativas à sua chegada em Angola.

Confusão, desorganização, turbulência foi o que Frederica constatou em 2006, quando chegou à capital mais cara do mundo, Luanda.

O crescimento dinâmico do país mudou em pouco tempo a impressão de Frederica. A italiana casada com um angolano, diz ter registado um crescimento surpreendente a nível das infraestrturas, das instituições, de produtos e até mesmo no que respeita a compra de bens e serviços.

Para Frederica, “o crescimento e a transformação da cidade é surpreendente”.

No que toca à aquisição de produtos, a jovem estrangeira acrescenta que para além dos preços, isto é, em termos de qualidade, Angola nada deve a qualquer país do mundo.

“Além das diferenças de preços as mesmas coisas que se podem encontrar na Europa não há dificuldades de encontrar em Luanda”, aclarou.

Angola tornou-se num mercado fértil para o investimento privado seja nacional como estrangeiro. O resultado do avanço no que respeita a abertura do país para as portas do mundo são as solicitações diárias feitas à ANIP, Agência Nacional para o Investimento Privado.

O número de cidadãos expatriados que tentam a todo custo atravessar as fronteiras do país demonstram o quão apetecível é a pátria cujo solo é rico em petróleo.

Os dados relativos ao perodo entre 13 e 19 de Novembro e indicam que os Centros de Detenção de Estrangeiros Ilegais albergavam 453 cidadãos estrangeiros ilegais que aguardam “formalização das respectivas expulsões”.

XS
SM
MD
LG