Links de Acesso

Especialistas recomendam mudanças nas missões de paz das Nações Unidas

  • Redacção VOA

Capacetes azuis, na República Democrática do Congo (Foto: Reuters)

Capacetes azuis, na República Democrática do Congo (Foto: Reuters)

Tolerância zero para capacetes azuis envolvidos no abuso e exploração sexual porque a imunidade não significa impunidade.

Mudanças profundas podem ajudar as missões de paz das Nações Unidas a adaptarem-se aos desafios nos pontos turbulentos do mundo, recomenda um relatório elaborado por um painel independente.

O painel de 15 membros indicados pelo secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, e liderado pelo antigo presidente do Timor Leste, José Ramos Horta, analisou em sete meses as limitações limites e expectativas sobre as missões de paz.

As Nações Unidas têm mais de 120 mil militares, polícias e pessoal civil em 16 missões de paz no mundo. Com as piores crises sem nenhum fim à vista, este número não vai ser reduzido tão cedo.

O documento, que é o primeiro em 15 anos, foi entregue a Ban Ki-moon, mas ainda não é público.

Na partilha de pontos gerais, Ramos-Horta sublinhou que objectivos políticos claros deverão orientar todas as operações de paz das Nações unidas.

“A paz não é alcançada nem sustentada apenas por compromissos militares ou técnicos. Muitas vezes as soluções apenas são encontradas com recurso à paciência e engajamento político estável”, disse o timorense.

Ramos-Horta recordou que as missões das Nações Unidas são cada vez mais colocadas em zonas voláteis e perigosas e têm sido usadas na falta de processos de pacificação. Tenso isso em conta, o painel recomenda que as missões de paz deverão sempre ser colocadas como parte de processos políticos nos quais as Nações Unidas têm a liderança.

Ramos-Horta também apelou à rapidez no envio das missões. Não tendo um exército próprio, na actualidade, as Nações Unidas levam cerca de nove meses para recrutar e enviar soldados da paz, explicou.

O painel liderado por Ramos-Horta recomendou que os capacetes azuis, como são conhecidas as tropas das Nações Unidas, não devem participar em operações contra o terrorismo.

O envolvimento de elementos das forças da paz no abuso e exploração sexual têm sido uma das críticas duras feitas às Nações Unidas. Um relatório interno publicado esta semana indica que a prática está a reduzir, mas persiste. Entre 2008 e 2013 houve 480 alegações de abuso e exploração sexual, mais de um terço envolvendo menores.

Ramos-Horta referiu que a política de tolerância zero das Nações Unidas deverá ser respeitada e que a imunidade não significa impunidade perante tais actos.

Para Richard Gowan, professor da Universidade de Nova Iorque e especialista em assuntos das Nações Unidas, o relatório tem dois focos: melhoria da gestão das missões de paz e alerta sobre políticas.

“Não se pode colocar as Nações Unidas no norte de África e Médio Oriente para enfrentar fortes grupos terroristas como o ISIS. Não se pode imaginar que as Nações Unidas podem manter a paz à larga escala”, advertiu Gowan.

Aquele especialista exemplificou que “as missões de pacificação podem ser incrivelmente úteis em países como a Libéria ou Haiti, mas tem as suas limitações em locais perigosos”.

O académico frisou que a avaliação das missões de paz apenas terá um impacto real se os Estados membros, incluindo os grandes como Estados Unidos ea China, tiverem disposição para implementar as recomendações do painel.

XS
SM
MD
LG