Links de Acesso

Empresários querem humanizar a actividade dos garimpeiros na Lunda Norte

  • Coque Mukuta

A ideia passa por organizar os garimpeiros em cooperativas.

Mas de sete mil jovens participam em cada campo de exploração de diamantes na Lunda Norte, conhecidas como zonas de garimpo artesanal, uma forma de fazer frente à falta de emprego na província. Vários empresários querem agora humanizar a actividade do garimpo, começando por organizar os jovens em cooperativas.

Segundo Regeiro João Manuel, empresário que se dedica à compra, venda e exploração de diamantes, abrir escolas e o hospitais nas zonas de garimpo artesanal seria uma alternativas para valorizar a vida dos garimpeiros, além de ensiná-los a ler e escrever:

“O que nós queremos é que os garimpeiros, como já não são pessoas desocupadas, possam ter um emprego, uma ocupação para que contribuam para o desenvolvimento do nosso país. Então queremos antes identificar todos os garimpeiros e saber quantos são para inscreve-los nessas cooperativas”, disse Regeiro João Manuel.

Aquele empresário diz que a prioridade da humanização das actividades da exploração de diamante artesanal passa por organizar as cooperativas formadas há mais de um ano e colocar estruturas sociais junto das zonas de exploração diamantíferas:

“Numa primeira fase, as estruturas podem funcionar em pré-fabricados, de modo que sejam montadas e desmontadas facilmente, mas se houver boa vontade dos garimpeiros dentro de dois meses teremos bons avanços”, disse Regeiro João Manuel.

Há iniciativas semelhantes nas províncias de Malange e Bie.

De recordar que os garimpeiros são maioritariamente das zonas do Cuilo, Kaungula, Lubalo, Xá-Muteba e Capenda Camulemba.

XS
SM
MD
LG