Links de Acesso

Começam a fechar as urnas na costa leste americana


Columbus, estado do Ohio, estado-chave

Columbus, estado do Ohio, estado-chave

Estados do lado do oceano Atlantico começam a contar os votos das eleições americanas 2016

Com o relógio a caminhar rapidamente para o encerramento das urnas nos primeiros estados, Hillary Clinton e Donald Trump não deixam de apelar aos Americanos que votem. Os estados da costa leste americana comecam a contar os votos, com a maior parte a fecharem as suas portas.

Os dois estão a usar a televisão, rádio e Twitter – prevendo resultados muito próximos, especialmente nos chamados estados cruciais onde não é clara a tendência de voto e onde é vital ganhar para qualquer m dos dois candidatos.

Sondagens pré-eleitorais davam a Clinton uma vantagem de 2 a 3 pontos sobre Trump.

Caso os números sejam muito próximos um do outro, a declaração de um vencedor poderá levar mais tempo do que o normal.

Há muitos estados que continuam a votar

Milhões de eleitores votaram ou estão ainda a votar por todos os Estados Unidos para elegerem um novo presidente, na culminação de uma campanha azeda entre a democrata Hillary Clinton e o republicano Donald Trump.

Clinton, que quer ser a primeira mulher presidente dos Estados Unidos, votou perto da sua casa num subúrbio de Nova Iorque acompanha pelo marido, o antigo presidente Bill Clinton, que votou na mesma mesa de voto. Hillary Clinton disse: estar ciente da “responsabilidade” de votar e de quantas pessoas estão pendentes do resultado eleitoral “do que significa para o nosso pais. Eu vou fazer o melhor possível caso tenha a sorte de vencer hoje.”

Trump votou mais tarde, juntamente com a esposa, Melania, perto de sua casa na cidade de Nova Iorque. Trump afirmou ser “uma grande honra, uma honra tremenda” estar a votar por ele próprio para presidente.

Os primeiros resultados são esperados ao final do dia desta terça-feira aqui n nos Estados Unidos, pese embora a votação prosseguir na parte oeste dos Estados Unidos. Caso a tendência do voto seja decisivo, as redes de televisão nacionais podem declarar um vencedor dentro de horas, mas não caso Clinton ou Trump estiveram numa corrida de resultados pouco claros em estados considerados chave, e que podem afectar os números finais.

Os dois candidatos apresentaram aos eleitores escolhas diferentes. Clinton é uma boa conhecida da política em Washington, figura presente em Washington ao longo dos últimos 25 anos, inicialmente como primeira-dama, depois senadora antes de ter sido secretaria de estado. Trump construiu o seu império de arranha-céus e casinos, e passou a imagem do homem fora da habitual politiquice em Washington.

Sondagens antes das eleições davam a Clinton forte apoio por parte das mulheres, dos latinos e dos negros e ainda dos eleitores com educação universitária. Já os apoiantes de Trump proveem, largamente, de brancos da classe operária, sem educação universitária e eleitores de zonas rurais.

Nevada – queixa de Trump

No estado do Nevada um tribunal rejeitou uma queixa da campanha presidencial do candidato republicano, Donald Trump, relativa à votação antecipada.

A juíza Gloria Sturman rejeitou a acusação de que o condado de Clark tinha mantido as urnas abertas mais duas horas do que o habitual para beneficiar os candidatos democratas.

A queixa citava especificamente assembleias de voto na zona de las Vegas que tem um grande número de eleitores de minorias que tradicionalmente votam pelos democratas.

Um porta-voz do condado disse que nenhuma das assembleias esteve aberta mais tempo que o permitido, mas acrescentou que os funcionários eleitorais contabilizaram os votos das pessoas que se encontravam na fila.

A lei do Nevada permite que as assembleias de voto permaneçam abertas até que todas as pessoas que se encontram na fila possam votar.

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG