Links de Acesso

Economistas duvidam que venda de títulos de dívida pública terá sucesso

  • Manuel José

T

T

Dúvidas sobre política económica e instabilidade política são apontadas como riscos a esse investimento de privados.

Para fazer frente às dificuldades de encontrar financiamentos para a economia angolana, o Governo vai emitir títulos de divida publica até dois mil milhões de dólares destinados a investidores nacionais, a serem pagos em moeda estrangeira.

Especialistas ouvidos pela VOA dizem não acreditar que o Executivo consiga investidores nacionais disponíveis a pagar esses títulos.

O economista Faustino Mumbica afirmou que o recurso a títulos de dívida pública revela que “o Governo está com dificuldades em obter financiamento para o Orçamento Geral do Estado e com mais necessidades do que dinheiro para gastar”.

Mumbica explicou que “a emissão de títulos da divida publica é uma forma do Executivo ir buscar dinheiro lá fora ou aqui dentro” e que, neste cas,o “o governo pretende que os cidadãos nacionais emprestem dinheiro ao Estado, para posteriormente, de acordo com os prazos e juros estabelecidos pelo prórpio Governo, o cidadão recupere o seu dinheiro com juros acrescidos".

Uma aposta que Faustino Mumbica não acredita que dê resultados.

"O Governo tentou primeiro lá fora e teve insucesso e isto já indicia que alguma coisa não vai bem porque uma das grandes desvantagens dos títulos de divida é a eventual incapacidade do executivo em honrar mais tarde os compromissos assumidos", adiantou.

Para Mumbica o país “vive, as consequências de causas que ainda persistem: A falta de disciplina e os desvios daquilo que é publico”.

Por seu lado, o também economica Justino Pinto de Andrade manifestou igualmente dúvidas quanto à emissão destes títulos devido às incertezas políticas que reinam no país.

"Acho que vamos viver um período muito difícil que poderá gerar tensão social porque não nos esqueçamos que o Presidente José Eduardo dos Santos está com 73 anos de idade e com uma imagem extremamente desgastada e descredibilizada, há um ponto de interrogação, e depois de Eduardo dos Santos o que será?”, disse.

Pinto de Andrade lembra que "os próprios parceiros externos também pensam assim, não vamos empenhar os nossos recursos em mãos que desconhecemos, o que pode acontecer depois da era pós Eduardismo".

Aquele especialista não acredita que internamente haja quem queira empenhar os seus dólares bem guardados no exterior em algo incerto.

XS
SM
MD
LG