Links de Acesso

Duas dezenas de jovens pedem libertação de Nito e Mavungo

  • Redacção VOA

Nito Alves e advogado David Mendes. Julgamento no Tribunal Provincial de Luanda, em Benfica. 16 Nov, 2015

Nito Alves e advogado David Mendes. Julgamento no Tribunal Provincial de Luanda, em Benfica. 16 Nov, 2015

Manifestantes exibiram cartazes com dizeres "o julgamento é uma palhaçada".

As activistas Laurinda Gouveia e Rosa Conde, arguidas no processo contra os 17 que estão a ser julgados por rebelião e por prepararem um golpe de Estado em Angola, e mais duas dezenas de jovens manifestaram-se nesta terça-feira em frente à Cadeia da Comarca de Viana, onde está preso Nito Alves.

O activista foi condenado a seis meses de prisão efectiva num julgamento sumário ontem por injúria, depois de ter dito no Tribunal Provincial de Luanda não temer pela sua vida e que o julgamento era uma farsa.

Os jovens ligados ao auto-denominado Movimento Revolucionário Angolano exibiram cartazes em que se podia ler que o julgamento é uma palhaçada, panfletos e gritaram palavras de ordem a pedir a libertação de Nito Alves e de José Marcos Mavungo, condenado a seis anos de prisão em Cabinda.

A reacção de Nito Alves no tribunal aconteceu ontem enquanto o pai era ouvido como declarante no processo dos 17 activistas.

O pai de Nito Alves justifica a atitude do filho com "o desespero e a pressão que existe sobre eles e os colegas activistas que estão há muito tempo há espera do fim desse processo".

Fernando Baptista diz que as perguntas que lhe foram feitas no tribunal visavam intimidá-lo.

Refira-se que os protestos das duas dezenas de jovens foram acompanhados mais de 100 oficiais da polícia mas não houve confrontos.

XS
SM
MD
LG