Links de Acesso

Domingos da Cruz: José Eduardo dos Santos "é um animal político que em dificuldades se reinventa"

  • Alvaro Ludgero Andrade

Domingos da Cruz, activista, escritor e professor angolano

Domingos da Cruz, activista, escritor e professor angolano

Activista, escritor e professor analisa a sua libertação como uma decisão do Presidente e não da justiça, o activismo em Angola e a repercussão internacional do caso.

O escritor e professor universitário angolano Domingos da Cruz, que integra o grupo dos 17 activistas condenados pelos crimes de rebelião, tentativa de golpe de Estado e associação de malfeitores, considera que a sua libertação não dependeu do Tribunal Supremo, mas sim da vontade do Presidente José Eduardo dos Santos.

Cruz, que é autor do livro “Ferramentas para Destruir o Ditador e Evitar Nova Ditadura: Filosofia Política da Libertação para Angola”, usado como parte da acusação do Ministério Público, sustenta a sua afirmação com o facto de José Eduardo dos Santos “tentar se reinventar para superar a crise em que o país se encontra”.

"Trata-se de um animal político que se encontra num contexto de incerteza, tendo em conta a situação em que o país está, e que pela sua dimensão política vai se rearticulando", explica Cruz, adiantando que, por isso, "num contexto desconfortável em função da situação internacional viu essa possibilidade para descomprimir a pressão".

A justiça

As recentes decisões da justiça angolana de libertar activistas, como os chamados revús, e anular processos, como os de José Marcos Mavungo e Arão Tempo, são vistos por aquele professor universitário apenas como "uma rearticulação do poder que quer dar a ideia de que as instituições funcionem, diminuindo a arrogância, e uma forma de preservar os interesses instalados, nomeadamente o seu património retirado do Estado".

Em entrevista à VOA, Domingos da Cruz diz que se acreditasse “na boa vontade ou no coração grande do Presidente não estaria a ser coerente” com o que tem dito.

Questionado se vai continuar a fazer activismo, Cruz convida os angolanos a acompanharem a sua trajectória e discurso para verem se mantém igual ou se está intimidado ou não, mas mostra-se pouco animado com o activismo angolano em ano eleitoral.

Eleições e activismo

"Embora para mim as eleições não dizem nada, não creio que haverá mudanças porque tenho a consciência de que nas tiranias a eleição não serve nada para a alternância", explica o activista que também considera que o poder minou toda uma sociedade "anestesiada" durante 40 anos.

“Ferramentas para Destruir o Ditador e Evitar Nova Ditadura: Filosofia Política da Libertação para Angola”, é o título da mais recente obra de Domingos da Cruz, cuja leitura e estudo foram considerados peças da acusação por parte do Ministério Público.

O livro dado a conhecer na internet e lido durante o julgamento por decisão do juiz vai ser publicado "depois do nosso caso ter transitado em julgado", garante o escritor.

O activista aborda também a situação nas cadeias angolanas e a repercussão internacional do caso, "que deveria ser aproveitada pelos angolanos para promover mudanças".

Acompanhe a entrevista na íntegra:

XS
SM
MD
LG