Links de Acesso

Matrícula escolar em Angola com denúncias de corrupção

  • Coque Mukuta

Há quem pague até 360 dólares por uma vaga em Luanda.

Em Angola, começaram nesta terça-feira, 3, as inscrições para acesso às instituições de ensino nas escolas públicas.

Na capital, Luanda, o processo está a ser marcado por denúncias de corrupção.

O Movimento dos Estudantes Angolanos afirma há quem pague até 360 dólares por vaga.

O círculo de corrupção nas escolas começa no funcionário de limpeza, disseram à VOA fontes do Ministério da educação.

O Movimento dos Estudantes Angolanos (MEA) esclarece que as vagas são na sua maioria distribuídas de forma anárquica com funcionários e professores a beneficiarem-se de uma vaga para algum familiar.

No entanto, caso não a preencham, vendem-na no valor de 60 mil kwanzas, cerca de 360 dólares no câmbio oficial.

O director-geral, por seu lado, comercializa mais de duas turmas, beneficiando-se de até 7 milhões e 200 mil kwanzas, cerca de 44 mil dólares.

Ainda de acordo com a mesma fonte, os directores-adjuntos ficam cada um com a metade desse valor.

Miguel Quimbenze, secretário-executivo do Movimento de Estudantes Angolanos, diz que este ano o cenário mantém-se e as vagas tornam-se mais difíceis por falta de escolas no país.

“É um acto recorrente, concretamente na província de Luanda e isso acontece por escassez de escolas no país, é ilegal, são coisas que são anormais e vão se tornando normais”, sublinhou Quimbenze.

O dirigente associativo denunciou também que as vendas das vagas são do conhecimento dos responsáveis máximos, que não tomam nenhuma medida para conter este fenómeno.

“Teoricamente fala-se muita coisa e não se faz nada, os directores que cobram esse dinheiro não são sancionados, os professores não sao sancionados”, acusa Miguel Quimbenze, reiterando ainda que a realidade no resto das províncias não é diferente.

A VOA tentou o contacto com o director do Gabinte Provincial de Educação de Luanda, André Soma, mas sem sucesso.

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG