Links de Acesso

Milhares de crianças afectadas pela fome no Cunene


Bispo da diocese de Ondjiva, dom Pio Hipunhaty

Bispo da diocese de Ondjiva, dom Pio Hipunhaty

Milhares de crianças estão a abandonar as escolas devido a fome

A seca está a afectar severamente a província do Cunene, no sul de Angola. O bispo da diocese de Ondjiva, dom Pio Hipunhaty, diz que a situação é alarmante na região e milhares de crianças estão a abandonar as escolas devido a fome.

Dom Hipunhaty que falava a Voz da América, após um encontro com o secretário-geral da UNITA, Victorino Nhany, que se encontra de visita ao Cunene, disse que, as pessoas estão a ser obrigadas a deslocar-se para a província fronteiriça do Cuando Cubango para encontrar água para o consumo humano e para os rebanhos porque muitas das tradicionais "chimpacas" (reservatórios de águas da chuva) estão vazias.

“A seca faz com que alunos acompanhem os pais que são obrigados a abandonar as suas zonas de residência e levar os seus rebanhos para as zonas mais seguras” alertou o bispo de Ondjiva, acrescentando que “ há zonas que para encontrar água é necessário percorrer 25 quilómetros a pé, estão os pais preferem que crianças ficam em casa enquanto os adultos vão procurar água.


Nas comunas de Mucupe, Onepolo e Humbe, muitas pessoas já abandonaram as suas residências e estão acampadas na margem direita do rio Cunene, juntamente com os seus rebanhos e crianças com idade escolar.

Uma avaliação realizada recentemente pelo Departamento Nacional de Nutrição, do Ministério da Saúde, com o apoio das Nações Unidas, indica que cerca de 533 mil crianças, com menos de cinco anos, nas dez províncias angolanas mais afetadas pela seca estão em situação de má-nutrição aguda.

A informação está contida no relatório publicado pelo Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA).

Os dados do Ministério da Agricultura, Desenvolvimento Rural e Pescas (MINADERP) estimam que cerca de um milhão e 834 mil habitantes foram afetados pela estiagem em 2012.

O número corresponde a cerca de 10 por cento do total da população angolana, tendo como as áreas mais afetadas, as províncias do Bengo, Kwanza-Sul, Benguela, Huíla, Namibe, Cunene, Moxico, Bié, Huambo e Zaire.

Dom Hipunhaty, revelou que este ano cerca de 500 mil famílias no Cunene, estão afectadas pela fome provocada pela seca que assola a província. Existe tendência do número vir aumentar.

“O Cunene debate-se com uma seca já mais vista porque abrange toda província do Cunene. Estamos sem alimentos, estamos sem água e de facto a situação é preocupante.”

Já Elias Mbala, pastor provincial da igreja Anglicana no Cunene, descreveu a situação na província de “sinistra”. “O impacto é maior. A água é vida quando não temos água, o homem não vive. Na verdade a situação não está para brincar.”

Há dois anos que praticamente não chove no Cunene, facto que está a prejudicar a economia das famílias, cuja base de subsistência é a agricultura e a criação de gado.

Hipunhaty, referiu ainda que a seca tem sido cíclica na região mas autoridades nunca apresentaram um plano concreto para a mitigação do seu impacto.

“Aproveito fazer apelo a todas as pessoas de boa vontade para que de facto sejam solidarias com o povo do Cunene neste momento tão complicado.”

Nhany reuniu-se também com as autoridades governamentais locais, tendo abordado a situação da seca no Cunene. Amanha (28) o politico visita os municípios mais atingidos pela seca onde deverá manter encontro com a população sinistrada.

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG