Links de Acesso

Crise económica actual ameaça redução da pobreza em Moçambique

  • Ramos Miguel

Banco Mundial diz que pobreza caiu de 69.7 por cento em 1996 para 46.1 por cento em 2015.

O Banco Mundial (BM) revela que a pobreza em Moçambique baixou de 69.7 por cento em 1996 para 46.1 por cento em 2015, mas analistas alertam para um possível retrocesso devido à grave situação política e económica em que o país se encontra mergulhado.

Um relatório do BM divulgado semana passada indica que mais de dois milhões de moçambicanos poderão ter saído da linha de pobreza, que, entretanto, ainda afecta 46.1 por cento da população, estimada em cerca de 24 milhões de habitantes.

Contudo, alguns analistas duvidam que seja possível manter a tendência para a redução dos níveis de pobreza, uma vez que se poderão agravar alguns sintomas da presente crise económica.

No seu relatório, o BM escreve que a redução da pobreza em Moçambique requer medidas de protecção das populações vulneráveis para que possam criar riqueza.

Para a antiga primeira-ministra Luísa Diogo, conhecedora da realidade moçambicana, abordar a questão da pobreza em Moçambique é falar de mais de 70 por cento dos cidadãos que vivem no campo e da agricultura, sector que, na sua opinião, precisa de ser acarinhado pelas autoridades.

Refira-se que os orçamentos moçambicanos têm sido fortemente criticados pela sociedade, principalmente no domínio de financiamento a áreas prioritárias e não prioritárias, devido à disparidade entre o dinheiro de fundos públicos destinado a áreas de desenvolvimento e aquele que vai para sectores da defesa.

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG