Links de Acesso

Greve Geral Convocada por Ouattara Ignorada em Abidjan


Tropas da força de manutenção de paz da ONU nas ruas de Abidjan

Tropas da força de manutenção de paz da ONU nas ruas de Abidjan

Emissários da CEDEAO vão tentar persuadir Gbagbo a deixar o poder.

27 Dez 2010 - Na capital da Costa do Marfim, Abidjan, foi ignorada uma greve geral convocada pelo candidato presidencial Alassane Ouattara, que a ONU reconhece como vencedor das eleições presidenciais do mês passado. A greve fora convocada como forma de pressão sobre o presidente Laurent Gbagbo, para o pressionar a aceitar a derrota e ceder o chefia do estado a Ouattara.

O apelo à greve não alterou visivelmente a dinâmica política na Costa do Marfim. Mantém-se o braço de ferro entre o presidente Laurent Gbagbo e Alassane Ouattara que a maioria da comunidade internacional reconhece como o vencedor das eleições de 28 de Novembro.

O primeiro-ministro de Ouattara, Guillaume Soro, convocou a greve geral, porque, segundo um destacado líder da oposição, não se pode permitir que Gbagbo, e citamos, “roube esta eleição”.

Mas em Abidjan a vida corria o rumo normal do quotidiano. Muitos residentes diziam que precisavam de trabalhar porque não podem arriscar o seu ganha pão.

Laurent Gbagbo permanece inamovível, face às pressões internacionais e a algumas sanções já anunciadas. Insiste que não cede o poder a Ouattara porque foi ele o legítimo vencedor das presidenciais. Os seus apoiantes acusam a comunidade internacional de ameaçar a soberania do país e prometem lutar para o manterem no poder.

Ouattara continua instalado num hotel em Abidjan, protegido pelas Nações Unidas e o antigos combatentes da sua força de guerrilha. O acesso põe terra ao hotel foi cortado; água e mantimentos são levados por helicópteros da ONU.

Desde que, no dia 16, a oposição se começou a manifestar contra Gbagbo, já morreram 170 pessoas. O Conselho dos Direitos Humanos da ONU fez um apelo à reconciliação para evitar uma nova guerra civil. E condenou as violações dos direitos humanos, levando Gbagbo a negar o uso de força excessiva contra os seus adversários políticos.

O ministro do Interior de Gbagbo acusou a ONU em Genebra e em Abidjan de assumir uma posição parcial quando informa os países membros acerca da situação no país. Adianta que a ONU ignora os dados fornecidos pelo governo e prefere privilegiar alegações e acusações feitas por um dos lados, sem qualquer verificação ou investigação.

Uma comissão de chefes de estado da CEDEAO desloca-se terça-feira a Abidjan, para tentar persuadir Gbagbo a abandonar o poder. Se ele recusar a CEDEAO ameaça depô-lo pela força. Gbagbo disse, em resposta, reconhecer que se trata de uma ameaça séria, mas permenece confiante na sua vitória. Adverte que a CEDEAO poderá provocar uma guerra civil.

Posição semelhante foi assumida no fim de semana pelo governo de Angola, que desmentiu ainda uma notícia referindo a presença de mercenários angolanos na Costa do Marfim.

XS
SM
MD
LG