Links de Acesso

Moçambique reforça controlo das fronteiras de olho no tráfico

  • Alfredo Júnior

Contrabando de marfim

Contrabando de marfim

A medida poderá reduzir a dependência de financiamento externo.

A Autoridade Tributária de Moçambique (AT) vai introduzir a partir deste ano unidades caninas nas fronteiras nacionais para controlar o contrabando de mercadorias, moeda e drogas.

O director da AT, Miguel Nhane, disse que a medida visa aumentar a colecta de receitas fiscais, o que pode reduzir a dependência externa de Moçambique no financiamento de projectos de desenvolvimento

As fronteiras moçambicanas têm sido consideradas corredores do tráfico de seres humanos, drogas e moeda. A fronteira de Ressano Garcia, por sinal a mais movimentada, é das mais vulneráveis.

Recentemente foram detidos, no lado sul-africanos, dois moçam­bicanos com 4.9 milhões de dólares americanos e 2.2 milhões de euros.

Além de unidades caninas, Nhate disse que "queremos introduzir a selagem de bebidas alcoólicas e de tabaco para controlar a circulação destes produtos."

Na perspectiva de apertar o cerco ao tráfico internacional, a AT anunciou a melhoria do seu sector de investigação e inteligência, em parceria com organismos internacionais.

Aliás, disse Nhate, Moçambique "alberga o escritório de inteligência da Organização Mundial das Alfândegas para a região austral e oriental de África," que engloba 23 países".

XS
SM
MD
LG