Links de Acesso

Cidadãos guineenses encontrados mortos em esquadras da polícia em Angola

  • Alvaro Ludgero Andrade

Angola polícia manifestantes manifestação manifestações

Angola polícia manifestantes manifestação manifestações

Liga Guineense dos Direitos Humanos pede às autoridades angolanas a abertura de inquéritos transparentes, com carácter de urgência, visando o esclarecimento dos casos referidos.

Dois dos três cidadãos guineenses desaparecidos em Angola foram encontrados mortos dentro das instalações da polícia. O primeiro foi espancado e o segundo continua por se conhecer as causas da morte.

A denúncia foi feita há pouco mais de um mês pela Liga Guineense dos Direitos Humanos através de uma carta aberta ao Procurador-Geral da República de Angola que, até agora, não foi respondida.

Entretanto, soube-se posteriormente que o cidadão António Maurício Bernardo foi encontrado morto numa das celas na 23ª esquadra da Polícia Nacional de Angola a 19 de Março. As autoridades angolanas também não informaram os familiares sobre as causas do espancamento e morte.

Agora, foi a família de um segundo desaparecido a informar que o mesmo apareceu morto noutra esquadra da polícia.

Segundo o presidente da Liga Guineense dos Direitos Humanos Luís Vaz Martins, o engenheiro Mamadu Bobo Baldé, que residia em Portugal, e fazia prospecção de petróleo em Angola, entrou com passaporte português em Angola.

"Ao ir fazer o registo como estrangeiro com documentos guineenses, ele foi presos e dias depois apareceu morto numa esquadra da polícia", conta Martins.

Agora, a família e a Liga Guineense dos Direitos Humanos querem fazer autópsia para conhece as causas da morte.

Entretanto, o corpo de Baldé que era esperado esta madrugada em Bissau foi para Conakry, alegadamente por erro da companhia aérea, sendo esperado amanhã na capital guineense.

Em Angola, continua ainda desaparecida desde Julho de 2012 a jornalista guineense Ana Pereira, conhecida por Milocas, Luiz Vaz Martins, confirma o silêncio tanto das autoridades guineenses como angolanas.

Martins disse à Voz da América que a Liga Guineense dos Direitos Humanos continua a pedir às autoridades angolanas para abrirem com caracter de urgência, inquéritos transparentes com vista ao esclarecimento dos casos referidos
XS
SM
MD
LG