Links de Acesso

Chicoti em ofensiva diplomática em Brasília e Washington

  • Redacção VOA

Georges Chikoti

Georges Chikoti

Em Washington, Chicoti participa no Angola Day, a 18 de Novembro.

O ministro angolano das Relações Exteriores inicia hoje uma visita ao Brasil e aos Estados Unidos, dois países considerados estratégicos para Luanda, numa altura em que o país assinala os 40 anos de Independência e há uma forte contestação ao Executivo de Luanda a nível interno.

Em Brasília, Georges Chikoti participa na sexta-feira num seminário para assinalar os 40 anos do estabelecimento das relações diplomáticas entre os dois países.

O evento, em que participa também o chefe da diplomacia brasileira Mauro Vieira, pretende-se, segundo nota do Ministério das Relações Exteriores de Angola, analisar esses 40 anos de relacionamento e projectar o futuro.

Na segunda-feira, Georges Chikoti desloca-se aos Estados Unidos onde, além de se encontrar com autoridades americanas, participará no dia 18 num evento organizado pelo Governo angolano a propósito dos 40 anos da Independência, “Angola Day”.

No Departamento de Estado, o chefe da diplomacia angolana deve ser recebido pela secretária de Estado Assistente para os Assuntos Africanos Linda Thomas-Greenfield.

De acordo com a página do Wilson Center Africa, em Washington, o evento intitula-se “Angola em 40 anos: Progresso, desafios e futuro” e, como a designação indica, visa “analisar os avanços do país desde a independência, a situação actual e as oportunidades que se abrem tanto políticas como económicas”.

O seminário pretende também realçar as perspectivas de desenvolvimento inclusivo e sustentável de Angola, e discutir o estado actual e futuro das relações entre Washington e Luanda.

Além do ministro Georges Chikoti, intervêm no evento a embaixadora americana em Luanda, Helen La Lime, o embaixador angolano em Washington Agostinho Tavares da Silva Neto, o ministro angolano da economia Abrahão Gourgel, o responsável para África do thing thank Chatham House Alexander Vines, o responsável das relações com os governos da Amnistia Internacional Adotei Akwei, o representante da Covington & Burling LLP Witney Schneidman e o director internacional de relações com os governos da Chevron Mamadou Beye.

Na nota introdutória do Angola Day, o Wilson Center Africa escreve que, devido às suas enormes reservas minerais de petrolíferas, Angola foi uma das economias que mais cresceram no mundo.

Entretanto, “apesar desse crescimento económico, o desenvolvimento não chegou à maioria da população”, com a desigualdade e a pobreza a marcarem a agenda do país.

A nota lembra que, segundo as Nações Unidas, “Angola ocupa a posição 93 num universo de 137 países em matéria de objectivos do desenvolvimento do milénio”.

O Wilson Center Africa regista também o aumento de preocupações em matéria de direitos humanos e à governação do país”.

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG