Links de Acesso

CEDEAO E UEMOA debatem crise na Guiné-Bissau

  • Lassana Casamá

Dakar

Dakar

Partes envolvidas na crise política guineense serão ouvidas na cimeira das duas organizações em Dakar.

A Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) e a União Monetária e Económica da África Ocidental (UEMOA) convocaram os dirigentes políticos da Guiné-Bissau para uma reunião em Dakar, Senegal, à margem da cimeira daquelas duas organizações sub-regionais que iniciam neste sábado, 4.

É mais um esforço dos blocos regionais para a saída da presente crise política na Guiné-Bissau, horas depois de o Presidente ter empossado um novo Governo, liderado por Baciro Djá, ainda sem os ministros dos Negócios Estrangeiros e do Interior.

Botche Candé, indigitado para a pasta do Interior, recusou assumir o posto, alegando respeito pelos princípios do seu partido, o PAIGC.

As delegações guineenses são constituídas por diferentes blocos nacionais.

De um lado, o Presidente da República, José Mario Vaz, será representado por Baciro Djá, enquanto Domingos Simões Pereira lidera a delegação do PAIGC.

O PRS, que assume a base do actual do Executivo, estará presente, bem como representantes da sociedade civil.

Na opinião de Simões Pereira, é incontornável a abordagem da situação política em curso na Guiné-Bissau por parte daquelas organizações e o encontro de Dakar vai permitir expor os factos e permitir uma maior compreensão da realidade.

Quanto à decisão do Chefe de Estado de avançar com a nomeação de um novo Governo, o presidente do PAIGC considera ser da responsabilidade do Presidente da República.

“É uma fuga em frente, pois, em vez de pararmos, para resolver o problema, é o próprio Presidente que insiste em criar pontos de discórdia e de conflito interno. Mas, é com isso que temos que trabalhar”, disse Simões Pereira.

Por seu lado, o novo primeiro-ministro Baciro Djá, desdramatizou a actual crise guineense.

“É uma crise menos grave, porque falta de vontade política, porque há regras e nós estamos a funcionar num Estado de direito democrático. Se há alguma situação de inquietação de uma parte, temos instituições do Estado, os tribunais e a justiça. É isso que nós fizemos no passado”, afirmou Djá.

O Presidente José Mário Vaz não vai à cimeira da CEDEAO e da UMOEA em Dakar.

XS
SM
MD
LG