Links de Acesso

Caso Moza Banco continua a agitar o meio financeiro moçambicano

  • Ramos Miguel

Banco de Moçambique diz não haver motivo para alarmes

Accionistas não cumpriram a decisão de aumentar o capital social do banco

O Banco de Moçambique (BM), que havia afastado qualquer sinal de alarme em relação à estabilidade do Moza Banco, veio a público nesta sexta-feira, 24, afirmar que os seus accionistas não cumpriram a decisão de aumentar o capital social do banco, intervencionado pelo Governo em Setembro do ano passado.

Os accionistas do Moza Banco, numa assembleia-geral realizada em Janeiro passado, tomaram a decisão de aumentar o capital social de 8, 17 mil milhões de meticais, para repôr o equilíbrio financeiro, fixando o prazo de 23 de Março, para que pudessem exercer o direito de preferência na sua recapitalização.

Findo o prazo, diz o BM, “os accionistas não cumpriram os requisitos estabelecidos para o exercício do direito de preferência", sublinhando depois que o Conselho de Administração Provisório, em coordenação com a Comissão de Avaliação, "continua com o processo de recapitalização do Moza Banco".

Refira-se que o banco central, na sequência de informações difundidas nas redes sociais sobre a situação do Moza Banco, havia afirmado não ver qualquer sinal de alarme em relação à estabilidade presente e futura desta instituição criada em 2008, e que se afirmou como o primeiro banco verdadeiramente moçambicano, fora da esfera da Frelimo.

O próprio Moza Banco havia afirmado também que a sua recapitalização tem evoluído dentro das expectativas e que conseguiu recuperar os índices de confiança no mercado e com o público em geral.

Detido a 51 por cento pela Moza Capitais e a 49 por cento pelo Novo Banco de Portugal, o Moza Banco foi intervencionado pelo BM "porque a sua situação financeira e prudencial vinha degradando-se de forma insustentável, tornando-se necessário reforçar as medidas extraordinárias de saneamento".

No sector financeiro moçambicano, esta e outras medidas tomadas pelo BM são positivas, "porque emitem sinal de confiança ao mercado".

Entretanto, o Banco de Moçambique não revela as razões do incumprimento do prazo de recapitalização, destinada a garantir a estabilidade do sistema financeiro e o reforço da confiança no futuro do Moza Banco.

Contudo, há informações, que a VOA não conseguiu confirmar, de que o Novo Banco, também intervencionado pelo Banco de Portugal, não apoiou os aumentos de capital do Moza Banco nem se mostrou disponível para vender a sua parte.

Segundo o banco cental, que investiu mais de oito mil milhões de meticais no Moza Banco, para travar o colapso e evitar "o terramoto" no sistema financeiro moçambicano, o Moza Banco continua a funcionar dentro da normalidade.

Por outro lado, a indicação de João Figueiredo como presidente do Conselho Executivo Provisório do Moza Banco não está a ser bem vista por algumas pessoas ligados ao sector financeiro.

Figueiredo é accionista do Banco Único, que se esforça, tal como se diz, por ocupar o lugar de quinto maior banco moçambicano que o Moza Banco ocupa, o que levanta questões de conflito de interesse, ou no mínimo, de ética.

Mas há quem considere que o facto de João Figueiredo continuar como accionista do Banco Único não levanta aspectos de conflito de interesse porque ele não faz parte dos órgãos sociais do Banco Único.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG