Links de Acesso

Cabo Verde: Para além da música e Cesária Évora

  • Alvaro Ludgero Andrade

Antropólogo Brito-Semedo analisa cultura das ilhas em 40 anos de independência.

"Mon pays est une musique", é uma morna eternizada por Cesária Évora em todo o mundo que diz muito de Cabo Verde. O arquipélago é conhecido pela sua música, tanto produzida no país como na diáspora, mas a cultura cabo-verdiana é muito mais do que morna, coladeira, funaná, batuco, colá, bandeira e demais géneros musicais.

Estudiosos da literatura cabo-verdiana lembram que o primeiro grito de independência da Nação cabo-verdiana foi o movimento literário Claridade e outros que se seguiram.

Nestes 40 anos de independência, a literatura cabo-verdiana cresceu muito, mas continua a debater com a falta de promoção e o reduzido mercado nacional.

Manuel Brito-Semedo

Manuel Brito-Semedo

O professor universitário e antropólogo Manuel Brito-Semedo considera haver "um momento de viragem do regionalismo mais europeu da Claridade ou mais africano dos anos 1950-56, começa a haver uma orientação da literatura mais universalista" .

Corsino Fortes e João Varela são, para Brito-Semedo, os responsáveis dessa mudança que marcou a literatura das ilhas.

Desde então, segundo Brito-Semedo, "a literatura conheceu um crescendo de aumento de qualidade, mas não tanto de quantidade".

Os destaques vão para Arménio Vieira, o primeiro cabo-verdiano a ganhar um prémio internacional de peso, Prémio Camões, e Germano Almeida, o mais produtor escritor das ilhas são os destaques

Mas há outros valores que se despontam nas ilhas e que continuam a dar uma visão mais universalista à literatura cabo-verdiana.

O antropólogo Brito-Semedo cita, entre outros, o poeta José Luis Tavares, também muito premiado em Portugal e no Brasil, bem como José Luís Hopffer Almada e Filinto Elísio, este último agora mais dedicado à edição.

Numa análise rápida a esse período,aquele professor destaca ainda novos valores, como Margarida Fontes, "num universo onde há poucas mulheres, com destaque para Vera Duarte, "já consagrada".

A literatura cabo-verdiana, também, continua a suscitar interesse de universidades portuguesas, brasileiras e americanas, com teses de mestrados e doutoramentos, enquanto no arquipélago, ainda essa actividade é incipiente por não haver muitos especialistas na área.

Apesar desse avanço, muito reconhecido, o Estado tem sido fortemente criticado por em 40 anos de independência não ter tido política de promoção da cultura. O escritor Germano Almeida colocou o dedo na ferida esta semana, e o também escritor Brito-Semedo é crítico nesta área.

"O Estado não tem tido um papel de promotor contínuo da literatura, não há prémios, não há incentivo à leitura, aliás, há uma clara omissão do Estado nesta área", acusa o também escritor que "atribui esse crescimento à iniciativa dos privados, dos próprios fazedores da literatura".

João Branco

João Branco

Quanto às outras áreas, o teatro tem tido um desenvolvimento extraordinário no país, principalmente devido à intervenção dinamizadora de João Branco, em S.Vicente, o polo de desenvolvimento do teatro, que, para Brito-Semedo, é área mais pujante da cultura nos últimos 40 anos.

A nível das artes plásticas, Brito-Semedo fala de uma resistência cultural logo por altura da independencia, que deu frutos, ao ponto de haver galerias e artistas que começam a ganhar espaço no país e no exterior.

Enretanto, a música é, sem dúvida, o grande cartão postal de Cabo Verde, com Cesária Évora, assumir-se como a grande embaixadora do arquipélago. Évora, que teve o seu ponto máximo, ao conquistar um prémio Grammy, o mais importante reconhecido da música mundial.

Antes, no entanto, Bana e a Voz de Cabo Verde levaram as ilhas à Europa e África.

Logo após a independência os Tubarões se afirmaram como o mais importante agrupamento cultural de Cabo Verde.

Cesária Évora

Cesária Évora

A morna e a coladeira foram, através dos anos, os dois mais conhecidos géneros musicais das ilhas, mas, após a independência, emergiram outros anteriormente silenciados pelas autoridades coloniais como funaná, batuque, colá, tabanca, mazurca, bandeira, entre muitos outros.

O panorama musical cabo-verdiano enriqueceu-se nos últimos 20 anos com uma nova geração de compositores e intérpretes, que revelam uma preocupação pela recuperação de valores tradicionais com ritmos influenciados pela World Musik, zouk e outros géneros.

Acompanhe esta edição especial de Artes & Entretenimento sobre cultura cabo-verdaina, na VOA.

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG