Links de Acesso

Brasileiros esperam um encontro especial com o papa argentino

  • Alvaro Ludgero Andrade

Discursos de Francisco aguardados com muita expectativa em Washington.

O papa Francisco chega dentro de horas aos Estados Unidos para uma visita aguardada com muita espectativa pelos católicos, mas também pela opinião pública americana.

Em ano pré-eleitoral, os dois partidos e os vários pré-candidatos presidenciais esperam o discurso que Francisco irá fazer na quinta-feira, 24, no Congresso.

Enquanto isso, os fiéis preparam-se para ver o papa e há brasileiros que chegam de várias partes dos Estados Unidos, mas também do Brasil.

Em Cuba, onde terminou há momentos a sua primeira visita, o papa Francisco evitou fazer declarações políticas ostensivas que os dissidentes esperavam, mas usou as suas homilias para enviar mensagens sobre a espiritualidade e a necessidade de mudanças no país comunista.

O pontífice pediu aos cubanos que pensem com maior abertura e sejam tolerantes às ideias de outras pessoas.

Uma abordagem mais suave que as adoptadas pelos seus dois antecessores imediatos quando visitaram Cuba e impulsionada por um desejo de incentivar calmamente os cubanos num momento delicado após a retomada das relações diplomáticas com os Estados Unidos.

Nos Estados Unidos, quando se dirigir a deputados e senadores, depois de se encontrar com o Presidente Obama, Francisco deverá tocar questões que estão na agenda política neste ano pré-eleitoral, como mudanças climáticas, imigração, crise dos refugiados e justiça, entre outras que poderão dividir opiniões entre democratas e republicanos.

Mas entre os católicos, as atenções estão viradas para os encontros com o seu líder espiritual.

Como maior país católico da América, muitos brasileiros são esperados em Washington e em Filadélfia.

Neuza Medeiros, que lidera uma comitiva de 55 pessoas viajam de Arlington a Filadélfia, diz aguardar com muita emoção o encontro com Francisco.

“Vai ser o auge da nossa fé católica e estamos muito ansiosos por esta experiência”, explicou Medeiros.

Papa Francisco e Barack Obama encontram-se amanhã

Papa Francisco e Barack Obama encontram-se amanhã

Regina Dourado, que leu um texto ao papa João Paulo II no passado, veio de Brasília para ouvir a mensagem do papa que espera que seja de paz.

Dourado entende que “quanto mais próximos estivermos do representante de Cristo na terra, mais forte é a nossa fé, mais forte é o nosso amor, mais forte é a nossa vontade de servir”.

Francisco já é considerado por muitos como o reformador da Igreja Católica e da sua postura social.

Renilda Rosa, que viajou do Rio de Janeiro para ver o papa na Filadélfia, classifica-o como um papa de mudanças.

“Eu sou católica, mas não concordo com muitas coisas da igreja e o papa veio para fazer essas mudanças”, garante Rosa.

Entendimento semelhante tem o taxista Medeiros Bretas, que trabalha em Washington e que destaca o facto de “muitas pessoas que não são católicas estarem interessadas e ansiosas por ouvir o papa porque ele veio para fazer mudanças”.

O argentino Jorge Mario Bergoglio parece não atiçar a velha rivalidade entre brasileiros e argentinos.

Neuza Medeiros diz não ligar à nacionalidade de Francisco “porque o mais importante é a mensagem que ele transmite e o que está a fazer em prol da fé e da humanidade”.

Em jeito de brincadeira, Medeiros Bretas afirma que “pena ele ser argentino, mas é um papa que veio para marcar a história”.

XS
SM
MD
LG