Links de Acesso

Droga: Chefe do exército guineense debaixo da mira

  • Redacção VOA

António Indjai (esq.) e Bubo Na Tchuto (Foto de arquivo)

António Indjai (esq.) e Bubo Na Tchuto (Foto de arquivo)

Indjai estava também na lista dos agentes da agência americana de combate aos narcóticos que detiveram o ex-chefe da marinha Bubo Na Tchuto

O chefe do exército da Guiné-Bissau, general António Indjai, estava também na lista dos agentes da agência americana de combate aos narcóticos, DEA, que detiveram o ex-chefe da marinha guineense o contra-almirante Bubo Na Tchuto ao largo da costa da África Ocidental.

De acordo com a agência de imprensa Reuters, Indjai decidiu não comparecer ao encontro em águas internacionais com agentes à paisana para acertar os pormenores de um acordo para contrabandear cocaína para a Guiné-Bissau em troca do fornecimento de armas aos rebeldes da Colômbia.

Ainda segundo a Reuters, o próprio Na Tchuto hesitou em comparecer ao encontro mandando primeiro dois enviados antes de se deslocar ele próprio, acabando por ser preso pelos agentes americanos.

Bubo Na Tchuto foi detido nessa operação juntamente com outros quatro guineenses - Manuel Mamadi Mane, Saliu Sisse, Papis Djeme e Tchamy Yala.
Na Tchuto, Djeme e Yala vão responder pela acusação de conspiração para importar drogas para os EUA, arriscando a prisão perpétua. O antigo chefe da armada da Guiné-Bissau, Bubo Na Tchuto, acusado de tráfico de drogas nos Estados Unidos, compareceu na segunda-feira perante um tribunal de Nova Iorque com uma defensora pública, alegando que "não tinha dinheiro" para contratar um advogado privado. O juiz encarregado do caso, Richard Berman marcou a próxima audiência para 25 de Julho

Segunda a acusação Na Tchuto cobrava um milhão de dólares por cada tonelada de cocaína da América do Sul recebida na Guiné-Bissau.
A agência da ONU anti-narcotráfico e crime organizado considerou recentemente a Guiné-Bissau como o país da África Ocidental mais afectado pela ingerência do narcotráfico na governação.

Num relatório divulgado no final de Fevereiro, refere que a Guiné-Bissau registou várias “mudanças abruptas de governo” desde que a droga começou a transitar pelo país, cuja economia vale menos do que muitas das apreensões de droga na região, e que altas patentes militares são suspeitas de cumplicidade no tráfico de cocaína.

Entretanto, o timorense José Ramos-Horta, o novo chefe do gabinete da ONU em Bissau, UNIOGBIS, afirmou em Maputo que a Guiné-Bissau está a um passo de se tornar um “estado falhado”, caso a instabilidade não pare nos próximos tempos. Ramos Horta falava à imprensa depois e um encontro com o presidente moçambicano Armando Guebuza durante o qual foi abordada a crise guineense.
XS
SM
MD
LG