Links de Acesso

Bissau: Não há aulas nem sinal de negociações com os professores

  • Lassana Casamá

O Presidente do Sindicato Nacional dos Professores, Luís Nancassa, não tem dúvidas que o único responsável pela presente paralisação é o executivo de transição

O sector do ensino guineense encontra-se paralisado a quase um mês. Os sindicatos do sector continuam relutantes, face ao silêncio prolongado do Governo na matéria de negociações.

O Governo deu abertura do novo ano lectivo desde o dia 17 de Setembro passado, no mesmo dia em que os dois Sindicatos do sector do Ensino (SINAPROF e SINDEPROF) iniciaram a greve de sessenta dias.


A paralisação está em curso, não há aulas, e até ao momento não há qualquer sinal do Governo de Transição em iniciar as negociações com os professores das escolas públicas.

O Presidente do Sindicato Nacional dos Professores, Luís Nancassa, não tem dúvidas que o único responsável pela presente paralisação é o executivo de transição.

Perante o que os dois sindicatos qualificam do silencio por parte do Governo, os professores guineenses já perspectivam novas paralisações e desta vez de 90 dias.

Alunos das escolas públicas obrigados ainda a ficarem em casa, enquanto o Governo não conter a greve dos sindicatos do sector do ensino, que já lá vai há quase um mês, facto que poderá comprometer o calendário escolar.
XS
SM
MD
LG